Diogo Nogueira comanda temporada do Clube do Samba no Vivo Rio

Sérgio Luz

O ano de 2020 marca duas décadas sem João Nogueira. Para homenagear o pai, o cantor e compositor Diogo Nogueira estreia nova temporada do Clube do Samba, projeto idealizado por seu progenitor na década de 1970. A estreia acontece hoje à tarde, na Varanda do Vivo Rio.

— Meu pai sempre foi uma grande referência, não só pra mim, mas para toda uma geração de músicos e compositores. É um cara que, além de ter sido um grande compositor, sempre se posicionou em defesa do samba e da cultura brasileira. E isso eu carrego comigo — afirma Diogo.

Uma novidade da temporada é o Batismo do Samba, no qual músicos contemporâneos passarão a integrar o clube. Na estreia, o escolhido é o cantor Juninho Thybau.

— Todos são sambistas com o DNA de algum outro mais consagrado. O Juninho, além de um grande artista, é sobrinho do nosso querido Zeca Pagodinho.

As quatro décadas de fundação do Clube do Samba, que tem seu marco inicial em 1979, também ganharão comemorações este ano.

— Foi um importante movimento artístico, musical e político em defesa do samba e de espaços para sambistas se apresentarem, pois, naquele momento, a discoteca estava chegando com força total no Brasil. E, em vez de os lugares terem espaço para shows com música ao vivo, começaram a dar espaço para música mecânica, sem a contratação de profissionais para se apresentar — detalha.

A roda é formada por Rafael dos Anjos (violão), Henrique Garcia (cavaquinho), Fabiano Segalate (trombone), João Marcos (baixo), Jefferson Rios (bateria), Maninho (surdo), Wilsinho Baltazar e Bruno Barreto (percussão).

— Conto com o auxílio luxuoso da minha banda. O repertório vai desde Cartola e Nelson Cavaquinho até Arlindo Cruz e Zeca Pagodinho, que será o homenageado desta edição — adianta.

Os próximos batizados serão Beatriz Rabelo (dia 12), João Diniz (dia 19) e Raoni e Dandara (dia 26).

A abertura da tarde no Aterro do Flamengo fica por conta do grupo feminino Moça Prosa.

— Está rolando um movimento muito interessante e que chega com força total, em que rodas de samba formadas por mulheres têm dominado a cena. Só traz força para o samba — afirma.

Onde: Varanda do Vivo Rio. Av. Infante Dom Henrique 85, Aterro (2272-2901). Quando: Dom, às 16h. Quanto: R$ 60. Classificação: 18 anos.