Direção da Escola Cívico-Militar do Rio é exonerada após denúncia de aglomeração e “doutrinação partidária”

·2 minuto de leitura
  • Direção da escola foi exonerada após vídeo analisado pela Secretaria Municipal de Educação do Rio

  • Na filmagem, alunos aparecem aglomerados e entoam discurso partidário dito por um orador

  • O Sindicato dos Profissionais de Educação do Estado do Rio de Janeiro acusou a escola de "doutrinação"

A Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro exonerou na última terça-feira a direção da Escola Cívico-Militar Carioca General Abreu, na Zona Norte da cidade. A decisão foi tomada após denúncia de aglomeração e “doutrinação por discurso partidário” feita pelo Sindicato dos Profissionais de Educação do Estado do Rio de Janeiro (Sepe-RJ).

O órgão recebeu vídeos e fotos de uma cerimônia de formatura realizada na escola. A filmagem mostra os alunos perfilados, sem qualquer respeito ao distanciamento social para combate à Covid-19.

Leia também

Nos alto-falantes, um orador faz discurso considerado “doutrinário” e “partidário” pelo sindicato. Entre outros dizeres, entoa um slogan utilizado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em sua campanha eleitoral.

“Muitos querem, mas não podem. Nós queremos e podemos. Nós somos nós e o resto é o resto. Brasil acima de tudo, abaixo de Deus”, diz o orador, para que os alunos repitam.

Aglomerados, alunos participam de cerimônia de formatura - Foto: Reprodução/Sepe-RJ
Aglomerados, alunos participam de cerimônia de formatura - Foto: Reprodução/Sepe-RJ

"Se configura claramente numa atitude contra os princípios educacionais, com utilização de slogans do governo federal, deixando claro também que os estudantes da escola seriam privilegiados em relação aos alunos da rede regular", aponta o sindicato em nota.

O comunicado, ainda, vê o prefeito Eduardo Paes (Democratas) como um dos principais responsáveis pela “doutrinação” das escolas no Rio.

"Não podemos admitir que o prefeito Eduardo Paes e o secretário Renan Ferreirinha transformem nossas escolas em unidades militarizadas, com objetivo de doutrinação dos estudantes e de disseminação de discursos extremistas utilizados pelo governo federal.”

Secretaria acata denúncia

A denúncia foi acatada pela Secretaria, que anunciou a exoneração da equipe gestora da escola, “por desrespeito ao protocolo sanitário e por conduta incompatível com o ambiente escolar”.

O episódio, porém, ainda pode ter novos desdobramentos. Isso porque a denúncia do Sepe-RJ foi apresentada também ao Ministério Público Estadual e à Comissão de Educação da Câmara dos Vereadores. Os órgãos devem apurar possíveis infrações dos protocolos sanitários e da conduta com os alunos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos