Diretor baiano, Aly Muritiba, é premiado em Veneza com 'Deserto Particular'

·1 minuto de leitura

Nesta sexta-feira (10), o cineasta baiano Aly Muritiba, conquistou o prêmio do público da mostra paralela Venice Days, do Festival de Veneza com o longa "Deserto Particular". Inspirada na Quinzena dos Realizadores de Cannes, a seção contempla obras mais autorais, em alguns casos de diretores estreantes.

O filme conta a história de Daniel —interpretado por Antonio Saboia , que atuou em "Bacurau"—, um ex-policial que mora em Curitiba e tem uma vida infeliz, até que ele parte numa jornada em direção ao sertão baiano à procura de Sara, uma mulher com quem ele desenvolve uma relação amorosa a partir de aplicativos de mensagem.

"Desde 2016, com o golpe que tirou do poder uma presidenta democraticamente eleita, minha geração enfrenta o momento mais dramático de sua existência. O país afundou numa espiral de ódio que culminou com a eleição de um fascista como presidente. Essa época de ódio me motivou quando decidi sobre o que seria meu próximo filme. Faria uma obra sobre encontros. Nesse momento de ódio, resolvi fazer um filme sobre o amor”, disse o cineasta em nota à imprensa.

Muritiba disse que ficou contente pelo fato de ter feito um filme de amor num contexto político turbulento. "É uma pequena prova de que no fim o amor sempre vence! E isso não é só nos filmes, o amor sempre vence na vida real e o amor vencerá inclusive na nossa história política."

O Festival de Veneza chega termina neste domingo (12), quandos anunciarão vencedores desta edição. Os longas mais cotados para levar o Leão de Ouro são "Madres Paralelas", do espanhol Pedro Almodóvar, e “A Mão de Deus”, do italiano Paolo Sorrentino.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos