Diretor diz que PRF fez maior operação da história em meio a acusações de leniência

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em meio a acusações que de que Polícia Rodoviária Federal agiu com leniência em relação aos atos antidemocráticos que interditaram vias públicas em todo o país, o diretor da corporação, Silvinei Vasques, disse em um vídeo divulgado nas redes sociais na noite desta sexta-feira (4) que a operação para desbloquear as rodovias é a maior operação da história da polícia.

No vídeo, Vasques afirma que a PRF é uma instituição de estado e que precisa garantir "o direito de ir e vir de todo cidadão".

Os atos foram promovidos por bolsonaristas que não aceitam a derrota de Jair Bolsonaro (PL) para Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições realizadas no último domingo (30). Em um primeiro momento, Bolsonaro permaneceu calado. Depois, publicou vídeo em que elogia os apoiadores, mas pede a eles para desbloquearem as rodovias.

De acordo com o diretor da PRF, todas as operações administrativas do órgão estão suspensas para liberar o efetivo para ações nas rodovias.

O último informe da PRF, publicado na noite deste sábado (5), diz que restam apenas três bloqueios, sendo dois em Mato Grosso e um no Pará. A corporação afirma que houve um total de 995 manifestações desfeitas.

No dia da eleição, Vasques divulgou um vídeo em seu perfil pessoal no Instagram apoiando Bolsonaro. Pouco depois, ele deletou a postagem.

A PRF organizou, no domingo (30) em que houve segundo turno, uma operação em diversas partes do Brasil com a justificativa de fiscalizar o transporte ilegal, o que foi questionado na Justiça por possivelmente impedir pessoas de votar. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) determinou a suspensão da operação.

Vasques mencionou a operação de domingo no vídeo. "Nossos policiais federais homens e mulheres que estão na estrada trabalhando desde domingo à noite estávamos encerrando uma operação e já iniciamos essa grande operação para desbloquear rodovias em todo o país", afirmou.

A PRF organizou, no domingo (30) em que houve segundo turno, uma operação em diversas partes do Brasil com a justificativa de fiscalizar o transporte ilegal, o que foi questionado na Justiça por possivelmente impedir pessoas de votar. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) determinou a suspensão da operação.

Vasques mencionou a operação de domingo no vídeo. "Nossos policiais federais homens e mulheres que estão na estrada trabalhando desde domingo à noite estávamos encerrando uma operação e já iniciamos essa grande operação para desbloquear rodovias em todo o país", afirmou.