Diretor de futebol do Atlético-MG afirma negociações encaminhadas sobre Jair com o Vasco

Em sua ida ao velório do ídolo vascaíno Roberto Dinamite, além de homenagear a maior figura do clube carioca, o diretor de futebol do Atlético-MG, Rodrigo Caetano, afirmou que a negociação do volante de 28 anos, Jair, com o Vasco já está encaminhada e faltam apenas detalhes burocráticos para selar a ida do jogador para São Januário.

– Uma tratativa que já está bem encaminhada. Esse anúncio somente é feito depois que temos isso tudo sacramentado, tem toda uma questão burocrática, mas já está bem encaminhado, sim. E nós, do Atlético-MG, se realmente isso for concretizado, vamos comunicar em conjunto com o Vasco. Mas as conversas estão adiantadas, sim. – afirmou Caetano.

No último sábado, o Vasco já tinha encaminhado a contratação de Jair. As negociações avançaram ao longo do dia, e o volante deve em breve ser anunciado como mais um reforço para a temporada de 2023.

O volante chegou ao Galo em 2019 e fez 171 jogos com a camisa do clube. Jair fez 13 gols e deu 10 assistências nas últimas quatro temporadas, sendo campeão brasileiro, da Copa do Brasil e da Supercopa com o Atlético-MG.

Antes do anúncio sobre Jair, o diretor de futebol do Galo falou a respeito de sua relação com Dinamite e relembrou momentos ao lado do ídolo vascaíno.

– Claro que o Roberto foi e sempre será o maior ídolo da história do clube, mas a nossa relação transcende, eu pude conhecê-lo como pessoa. Me sinto honrado pelos anos que estive aqui no Vasco, convivendo com ele como presidente. Ele não se colocou jamais acima dos outros. Acho que por isso é tão querido por todos aqueles que tiveram o mesmo prazer que eu, de conhecê-lo como cidadão e ser humano. – disse Caetano.

Entre 2009 e 201, Caetano ocupou a mesma função no Vasco, quando Roberto Dinamite era o presidente do clube carioca. O executivo esteve no título da Copa do Brasil de 2011 com o Gigante da Colina.

– Eu lembro de cada quilômetro que a gente fez do (Aeroporto) Santos Dumont até São Januário. Quando isso aqui estava tomando de gente. Lembro também de todos os minutos que estavam para encerrar o jogo lá em Curitiba, era muito tempo que um clube gigante como esse não conquistava um título nacional, um título histórico, ainda hoje o único nesta competição. Eu lembro de todo esse trajeto. E o Roberto o tempo todo conosco, não só no jogo, festejando como criança, como se fosse o primeiro dos títulos dele - ele já era um cara extremamente vencedor aqui no Clube. – relembrou o executivo.