Diretor da NSA diz que acusar britânicos de espionagem é 'insensato'

O presidente americano, Donald Trump

O número dois da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos considerou neste sábado em uma entrevista à BBC "totalmente insensatas" as acusações de espionagem contra o Reino Unido realizadas na quinta-feira pela administração Trump.

O ex-juiz Andrew Napolitano, comentarista habitual na Fox News, havia afirmado no início da semana nesta rede de televisão que Barack Obama havia recorrido à agência de espionagem britânica GCHQ para grampear as linhas telefônicas da Trump Tower, residência de Donald Trump.

A afirmação foi transmitida pelo porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, e posteriormente evocada pelo próprio Donald Trump, que não a desmentiu.

Segundo Rick Ledgett, diretor-adjunto da NSA - agência encarregada de interceptar as comunicações eletrônicas -, lançar ou repetir tais acusações demonstra "uma incompreensão total do modo como nossas relações funcionam" com o Reino Unido, explicou durante a entrevista à BBC.

"Evidentemente (os britânicos) não fariam isso", insistiu. "Seria muito estúpido".

A rede Fox News indicou na sexta-feira que não estava em condições de confirmar as acusações de Andrew Napolitano.

"Nossa missão nos serviços de inteligência é apolítica" e consiste em "dizer a verdade aos dirigentes", afirmou Rick Ledgett.

O presidente dos Estados Unidos acusou no início de março seu antecessor de ter ordenado grampos em seus telefones antes da eleição presidencial, embora não tenha fornecido nenhuma prova desta afirmação.