Diretora da Precisa contradiz sua própria fala sobre faturas, e nova versão fica alinhada com governo

·2 minuto de leitura
BRASÍLIA, DF, 14.07.2021: EMANUELA-MEDRADES - CPI da Covid volta a ouvir o depoimento de Emanuele Medrades, representante da Precisa Medicamentos, em Brasília, nesta quarta. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, 14.07.2021: EMANUELA-MEDRADES - CPI da Covid volta a ouvir o depoimento de Emanuele Medrades, representante da Precisa Medicamentos, em Brasília, nesta quarta. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em depoimento à CPI da Covid, a diretora-técnica da Precisa Medicamentos, Emanuela Medrades, contradisse uma fala anterior dela própria em referência ao envio dos chamados invoices —as faturas— para o Ministério da Saúde, por causa da importação da vacina Covaxin.

A nova versão apresentada por Emanuela Medrades coincide com o defendido pelo governo federal.

As suspeitas a respeito das faturas surgiram após depoimento na comissão do deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) e de seu irmão, o servidor da pasta Luis Ricardo Miranda. Os dois apresentaram duas faturas que previam pagamento antecipado pelas vacinas, havia problemas no quantitativo de doses que seriam entregues inicialmente e também que o pagamento seria feito por meio de uma terceira empresa, a Madison, localizada em um paraíso fiscal. Nenhuma dessas questões estava prevista no contrato assinado entre as partes.

Em entrevista no Palácio do Planalto, o secretário-geral da Presidência Onyx Lorenzoni afirmou que os documentos apresentados eram falsos. Disse que a primeira fatura foi apresentada apenas no dia 22 de março deste ano pela Precisa.

A própria Emanuela Medrades havia afirmado em sessão no Senado que a primeira fatura havia sido encaminhada no dia 18, reconhecendo portanto que a versão apresentada pelos irmãos Miranda seria verdadeira.

"Quinta-feira [dia 18 de março] passada fizemos o pedido, encaminhamos as invoices, alguns documentos. Temos alguns documentos que precisam ser retransmitidos ao pessoal do Dimp [Divisão de Importação]", afirmou na sessão do Senado, em vídeo que foi reproduzido nesta quarta-feira pela CPI.

Ao ser questionada sobre o fato, a representante da Precisa afirmou que "não estava sendo detalhista" na fala e afirmou que encaminhou o primeiro invoice apenas no dia 22 de março.

Em depoimento à CPI da Covid, o consultor do Ministério da Saúde William Santana confirmou que havia tido contato com o primeiro invoice no dia 18 de março.

Medrades afirmou que consegue provar sua nova versão e que concorda com acareação com Santana e com o servidor Luis Ricardo Miranda.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos