Diretora de ginástica da Itália suspensa por humilhar atletas

Presidente da federação de ginástica de Itália (FGI), Gherardo Tecchi, anunciou em comunicado a suspensão de funções na direção técnica

Emanuela Maccarani está no cargo desde 1996 e foi responsável por numerosas medalhas da Itália em competições internacionais. Foto: Fabrizio Carabelli/SOPA Images/LightRocket via Getty Images
Emanuela Maccarani está no cargo desde 1996 e foi responsável por numerosas medalhas da Itália em competições internacionais. Foto: Fabrizio Carabelli/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

A diretora técnica da seleção de ginástica rítmica da Itália, Emanuela Maccarani, foi suspensa pela federação da modalidade, após acusações de antigas ginastas que citaram humilhações por conta do peso e regime alimentar.

O presidente da federação de ginástica de Itália (FGI), Gherardo Tecchi, anunciou em comunicado a suspensão de funções na direção técnica, enquanto decorrerem investigações sobre o seu comportamento.

Leia também:

Interinamente, o posto será assegurado pelo próprio Tecchi. Apesar da investigação, Maccarani vai continuar a treinar as suas atletas, "até que o tribunal desportivo tome uma decisão".

Maccarini e a sua adjunta, Olga Tisha, estão sendo investigadas pela FGI e procuradores de Monza, norte de Itália, no seguimento de alegações de ex-atletas. Três antigas campeãs reportaram o sofrimento por que passaram, em declarações que o 'La Repubblica' publicou em novembro e dezembro.

Nina Corradini, de 19 anos fala de "violência e humilhação para não comer". O testemunho foi apoiado por Anna Basta, 21 anos e dupla campeã do mundo, retirada da competição em 2020 e que por duas vezes equacionou o suicídio.

Giulia Galtarossa, de 31 anos, duas vezes campeã mundial, também, recorda como foi repreendida por comer uma pera, tendo-lhe sido entregue uma folha de dieta onde estava escrito 'temos um porquinho na equipe'.

Em entrevista ao jornal Corriere Della Sera, Maccarani nega as pressões psicológicas e considera que as acusações partem de atletas que não aceitaram não terem sido selecionadas para as equipes olímpicas.

No cargo desde 1996, Emanuela Maccarani, uma antiga atleta, de 56 anos, foi responsável por numerosas medalhas da Itália em competições internacionais.