Diretora do Ministério da Agricultura duvida que mudanças climáticas existam

AP Photo/Felipe Dana

Uma dirigente do Ministério da Agricultura levantou dúvidas sobre mudanças climáticas durante uma apresentação ao presidente Jair Bolsonaro, realizada na manhã desta segunda-feira no Palácio do Planalto. De acordo com Mariane Crespolini, que é diretora do Departamento de Produção Sustentável e Irrigação da pasta, muitos pesquisadores de credibilidade defendem que as mudanças não existem.

A declaração foi feita em meio à 25º Conferência do Clima (COP-25) das Nações Unidas, em Madri, que discute justamente os impactos da emergência climática mediante as metas firmadas pelo Acordo de Paris. Na apresentação a Bolsonaro, Crespolini afirmou que esses pesquisadores não têm visibilidade porque são como um "radinho de pilha", enquanto os defensores da existência do aquecimento global na opinião pública e na imprensa atuariam quase como um "Rock in Rio".

Leia também

— E aí, presidente, mudanças climáticas existem? Acho que a gente está assim, em uma discussão radinho de pilha. Tem muito pesquisador bom, de credibilidade, que mostra que não existe. Mas o barulho que a opinião pública e alguns jornalistas estão fazendo é quase um Rock in Rio — afirmou a diretora.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, acompanhou a apresentação, assim como os ministros da Casa Civil (Onyx Lorenzoni) e da Ciência e Tencologia (Marcos Pontes).Crespolini acrescentou que o governo tem resultados para apresentar para quem acredita nas mudanças climáticas, mesmo que o objetivo não seja a diminuição do efeito estufa, mas sim o aumento da produtividade dos alimentos.

— Aí eu coloquei uma reflexão: se elas existem ou não, presidente, nós temos resultados para quem acredita. Então, o Brasil tem a solução para isso. Absorção de gases de efeito estufa dessa tecnologia, presidente, é só o benefício. O objetivo do Ministério da Agricultura é produzir mais alimentos, mais baratos e com mais renda para o produtor.

Daniel Gullino, da AGÊNCIA O GLOBO