Diretores do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro foram detidos após participarem de protesto na Linha Amarela

Mariana Teixeira
Profissionais da saúde pedem medidas de proteção à população contra a COVID-19

RIO — Dois diretores do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro foram conduzidos até a 026ª DP (Todos os Santos) após participarem de um protesto que pedia medidas para proteger a população e garantir equipamentos de proteção individual para os trabalhadores no combate à COVID-19 na manhã deste sábado. A manisfestação reuniu um grupo de cerca de 15 pessoas na praça de pedágio da Linha Amarela e durou 20 minutos, sem interrupção do trânsito. O ato consistia em segurar uma faixa com os dizeres: "Quarentena geral para não adoecer. Renda mínima para sobreviver. Leitos para todos não morrer" e, de acordo com o presidente do sindicato, Alexandre Telles, o portesto tinha nove profissionais de saúde, respeitando o distanciamento e uso de máscara. Todos os participantes foram conduzidos até a delegacia.

— Isso é um completo absurdo e abuso de autoridade. São todos profissionais que estão na linha de frente, cuidado das pessoas, e merecem respeito — lamenta Telles.

Procurada, a Polícia Militar ainda não se manifestou sobre o caso.