Dirigentes de veículos de marketing e comunicação ganham mais espaço em conselho de normas para publicidade

O Globo
·2 minuto de leitura

RIO - Dirigentes de marketing e comunicação vão integrar os conselhos Superior e de Ética do Conselho Executivo das Normas-Padrão (Cenp). Ao todo, oito profissionais serão indicados, que vão participar de debates e decisões sobre as melhores práticas no mercado publicitário do país.

“Nosso objetivo permanente é promover o aprimoramento constante da qualidade dos serviços do mercado publicitário, a saúde financeira de todos os diferentes players e, neste sentido, propiciar condições para a livre concorrência, para sempre evitar o abuso do poder econômico”, destaca Caio Barsotti, presidente do Cenp, em comunicado.

A organização, que foi criada e é mantida por outras do setor privado, atua propondo regras de boas práticas comerciais a serem observadas nas relações entre anunciantes, agências de publicidade e veículos de comunicação.

Entre as nove mantenedoras do Cenp estão a Associação Brasileira de Agências de Publicidade (ABAP), a Associação Brasileira de Redes de Rádio e Televisão (Abert), a Associação Brasileira de Marketing e Negócios (ABMN), Central de Outdoor e a Associação Nacional de Jornais (ANJ).

A mudança no board foi aprovada em assembleia reunindo essas organizações, destacando que profissionais de marketing, de veículos e agências atuando lado a lado ajudam a construir “as bases reais do mercado publicitário no dia a dia”.

Já há cinco indicações feitas pela ABMN e pelas entidades mantenedoras do Cenp. São eles: Igor Puga, diretor de marketing do Santander; Hermann Mahnke, diretor executivo de marketing para a América do Sul da GM; Ilca Sierra, diretora de marketing multicanal e marcas da Via Varejo; Ariel Grunkraut, vice-presidente de vendas, marketing e tecnologia do Burger King, e Mauro Madruga, superintendente de mercado e operações da Unimed-Rio.

“É neste fórum que temos conseguido, com muito empenho, empatia e respeito aos anseios de cada setor, gerir a autorregulação e evoluir o modelo de negócios”, complementa Barsotti.