Disparada de alimentos e combustíveis aumenta risco de agitação social em mercados emergentes, diz relatório

Por Jorgelina do Rosario

LONDRES (Reuters) - O aumento dos preços de combustíveis e alimentos deve incentivar um aumento "inevitável" na agitação civil, com países em desenvolvimento de renda média, como Brasil e Egito, particularmente em risco, disse um relatório de uma consultoria de risco.

Três quartos das nações que devem estar em alto risco ou risco extremo de agitação civil até o quarto trimestre de 2022 são países de renda média, conforme definido pelo Banco Mundial, disse a Verisk Maplecroft em uma atualização de seu monitor de risco político.

"Ao contrário dos países de baixa renda, eles eram ricos o suficiente para oferecer proteção social durante a pandemia, mas agora têm dificuldades para manter os altos gastos sociais que são vitais para manter os padrões de vida de grandes setores de suas populações", afirmou o relatório.

Argentina, Tunísia, Paquistão e Filipinas também estão entre os países a serem observados nos próximos seis meses, disseram os autores, apontando para sua alta dependência de importações de alimentos e energia.

A guerra da Rússia na Ucrânia acelerou a disparada dos preços de alimentos, cuja inflação atingiu um pico recorde em fevereiro e novamente em março. Os preços de energia também têm subido acentuadamente.

"Sem resolução do conflito à vista, a crise global do custo de vida continuará até 2023", disse o relatório.

A agitação civil pode dificultar uma potencial recuperação econômica, mas também desencorajar os investidores focados em governança ambiental, social e corporativa (ESG, na sigla em inglês), afirmou o documento.

O relatório afirmou que mais de 50% dos quase 200 países cobertos por seu índice experimentaram um aumento na agitação civil desde a pandemia de Covid-19.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos