Disputa por herança chega ao fim e Viúva da Mega-Sena fica de fora

·1 minuto de leitura
Viúva da Mega-Sena foi excluída do testamento - Foto: Divulgação
Viúva da Mega-Sena foi excluída do testamento - Foto: Divulgação
  • Adriana foi excluída da herança, deixada pelo marido Renê Senna

  • Ela foi condenada pelo assassinato de Renê em 2016

  • O STF entendeu que o rapaz foi manipulado pela esposa para inclui-la no documento

Depois de 14 anos, chegou ao fim a disputa pela herança de Renê Senna, ganhador da Mega-Sena morto em 2007. O Supremo Tribunal Federal (STF) definiu a exclusão de Adriana Ferreira de Almeida, condenada pelo assassinato do marido da divisão do patrimônio.

Conhecida como “Viúva da Mega-Sena”, Adriana tentava fazer valer o testamento de Renê, que deixava-lhe toda a herança, avaliada em R$ 120 milhões. Em 2018, porém, uma sentença anulou o documento e tirou a mulher da divisão.

Leia também

No último mês de março, a filha de Renê, Renata Senna, foi autorizada também pela Justiça a receber metade da quantia. Adriana, então, brigava pelos outros R$ 60 milhões.

Mas o STF considerou que o homem foi manipulado pela esposa para dar-lhe todo o dinheiro, antes de ela própria ordenar seu assassinato. Por isso, a excluiu do testamento e definiu que os outros R$ 60 milhões sejam divididos entre os nove irmãos de Renê.

Renê havia ganhado R$ 52 milhões na Mega-Sena - Foto: Divulgação
Renê havia ganhado R$ 52 milhões na Mega-Sena - Foto: Divulgação

Para que a decisão seja cumprida, os bens de Renê começaram a ser leiloados. Em março, uma fazenda de 9,3 km² em Rio Bonito (RJ) foi vendida.

Relembre o caso

Renê ganhou R$ 52 milhões na Mega-Sena em 2005, mas acabou assassinado dois anos depois. Ele estava com amigos na frente de um bar, em Rio Bonito (RJ), quando recebeu quatro tiros.

A investigação da polícia concluiu que Adriana foi a responsável por arquitetar o assassinato do marido, justamente para ficar com a fortuna. Em 2016, ela foi condenada a 20 anos de prisão.