5 distopias que mais parecem o mundo real de 2020

Rafael Argemon

Uma pandemia que já vitimou mais de 380 mil pessoas no mundo todo, protestos violentos contra o racismo nos Estados Unidos, refugiados tratados como lixo em diversas partes do globo, governos que flertam com o rompimento da democracia, economia em colapso, crescimento da miséria, da fome... Parece que 2020 sai direto de uma distopia.

Duvida? Pois aqui vão 5 distopias que são assustadoramente parecidas com o que estamos vivendo na realidade hoje mesmo:

Filhos da Esperança (2006) 

Em um mundo assolado pela miséria e caos depois que os seres humanos perderam a capacidade de procriar, governos autoritários tratam imigrantes como animais. Tirando a parte da procriação, em que essa realidade ficcional de 2027 se difere da nossa de agora, em 2020?   

Sinopse:  Por um motivo ainda desconhecido, em 2009, as mulheres perdem a capacidade de engravidar. Em 2027, em meio a comoção pela morte do argentino Diego, mais conhecido como Bebê Diego (o ser humano mais jovem da Terra), o jornalista Theodore Faron (Clive Owen) é procurado por sua ex-esposa, a ativista Julian (Julianne Moore), que pede ajuda a ele para transportar uma jovem grávida para um local seguro, onde cientistas possam ajudá-la e desenvolver uma cura para o mal que pode extinguir a humanidade.

Onde ver: Netflix / Google Play e iTunes (para alugar).

Laranja Mecânica (1971)

Gangues violentas bebem leite batizado e tocam o terror em um mundo sem futuro para as novas gerações. Isso é um documentário?

Sinopse: Em um futuro próximo, o jovem Alex (Malcolm McDowell) lidera uma gangue de arruaceiros que rouba, estupra e mata pessoas sem a menor culpa. Traído por seus companheiros e posteriormente preso, ele é forçado a participar de um programa de ressocialização que o faz ter crises fortes de náusea quando é exposto a qualquer tipo de violência.

Onde ver: HBO GO / Looke, Google Play e Microsoft Store (para alugar).

Brazil, o Filme (1985)

Não, o filme não se passa no Brasil. O nome faz alusão...

Continue a ler no HuffPost