Ditadura da Nicarágua prende 6º candidato de oposição a 4 meses da eleição

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A quatro meses da eleição presidencial na Nicarágua, autoridades prenderam na noite desta segunda-feira (5) o sexto candidato de oposição, Medardo Mairena, além de outros quatro líderes camponeses e estudantis.

Segundo a Polícia Nacional, além de Mairena, foram presos Freddy Navas e Pedro Mena. Os três são líderes do Movimento Camponês e foram acusados de assassinato, sequestro e lesões de agentes durante os protestos de 2018 contra a ditadura de Daniel Ortega --a forte repressão aos atos deixou cerca de 320 mortos, segundo ativistas.

O presidenciável e Mena já haviam sido presos e condenados a uma pena de 200 anos por terrorismo e outros crimes por sua participação nesses protestos, mas foram beneficiados pela lei de anistia em junho de 2019.

Também foram presos os estudantes Lester Alemán e Max Jérez, considerados líderes da ocupação de duas universidades durante "a tentativa fracassada de golpe de Estado", como o regime classifica as manifestações de 2018. Alemán, 23, ganhou notoriedade nesses protestos quando, diante de Ortega, exigiu sua renúncia. Antes de ser preso, ele gravou um vídeo em que afirma não ser traidor da pátria, nem culpado dos crimes que lhe são atribuídos.

Os cinco são acusados de "incitar a interferência estrangeira, pedir intervenções e aplaudir" sanções contra a Nicarágua, entre outros crimes, com base na lei 1.055, sancionada em dezembro e apontada por órgãos internacionais como um mecanismo legal para barrar críticos e opositores de Ortega nas eleições presidenciais de 2021.

Advogados e juristas avaliam que os líderes camponeses e universitários estariam sendo vítimas de uma dupla perseguição, por fatos que foram julgados e pelos quais foram anistiados. "É uma violação grave dos direitos humanos e uma amostra do terror empregado pelo governo contra os opositores, de vingança e castigo", considerou o jurista e ativista de direitos humanos Gonzalo Carrión.

"Não pode haver dupla sanção sobre o mesmo fato. Ninguém pode ser julgado duas vezes pelo mesmo crime", reforçou a jurista Yonarqui Martínez.

Segundo o ex-vice-presidente de Daniel Ortega, Sergio Ramírez, falou em entrevista à Folha, Mairena era "o único opositor sério" que ainda estava na disputa. A perseguição sob a lei 1.055 começou com a prisão da jornalista Cristiana Chamorro, em 2 de junho, que agora segue em prisão domiciliar. Também foram detidos o ex-embaixador Arturo Cruz, o acadêmico Félix Maradiaga, o economista Juan Sebastián Chamorro, primo de Cristiana e Miguel Mora, fundador e dono do canal de televisão 100% Noticias.

"A cada dia fica mais distante a possibilidade de a Nicarágua ter eleições livres, justas, igualitárias", observou a presidente da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, (CIDH), Antonia Urrejola. "O assédio e a perseguição às vozes dissidentes não param."

A Anistia Internacional considerou que o regime "não apenas não dá ouvidos à comunidade internacional, mas também a desafia com novas violações dos direitos humanos". Dessa forma, pediu a continuação do esforço para "conseguir o fim da repressão, e uma resposta mais enérgica e articulada é indispensavel".

Já o Departamento de Estado americano chamou as detenções de uma "campanha contínua de terror" e disse que os EUA vão usar todas as ferramentas diplomáticas e econômicas disponíveis para promover eleições justas.

Além dos candidatos à Presidência, também estão presos críticos, ativistas, empresários, estudantes e ex-companheiros de armas do ditador. "O objetivo de Ortega não é apenas eliminar a competição eleitoral ao capturar o sexto candidato presidencial, mas também evitar a resistência cívica. Ele prendeu mais de 20 líderes políticos, cívicos, estudantes e camponeses", escreveu o jornalista Carlos Chamorro. no Twitter.

O nicaraguense, que fugiu para a vizinha Costa Rica em meados de junho, é irmão de Cristiana Chamorro.

Em meio aos pedidos da comunidade internacional pela libertação dessas pessoas, o ditador afirmou que os opositores presos não são "candidatos, nem políticos, são criminosos" que tentaram orquestrar um golpe de Estado com financiamento dos EUA. Ele tentará se reeleger pela terceira vez consecutiva.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos