Djokovic conquista Wimbledon e iguala recorde de Grand Slams de Nadal e Federer

·4 minuto de leitura
Novak Djokovic with the trophy after winning the Gentlemen's Singles final against Matteo Berrettini on day thirteen of Wimbledon at The All England Lawn Tennis and Croquet Club, Wimbledon. Picture date: Sunday July 11, 2021. (Photo by Adam Davy/PA Images via Getty Images)
(Adam Davy/PA Images via Getty Images)

Atual número um do mundo, o sérvio Novak Djokovic, 34, voltou a fazer história ao conquistar Wimbledon neste domingo (11) e se tornar, ao lado do suíço Roger Federer (8º) e do espanhol Rafael Nadal (3º), o maior vencedor de Grand Slams, com 20 títulos dessa magnitude. 

Em uma partida dura, o tenista fez valer seu favoritismo e venceu de virada o italiano Matteo Berrettini, 25, por 3 sets a 1, com parciais de 7/6 (4), 6/4, 6/4 e 6/3 para ficar com o torneio de simples na grama inglesa pela sexta vez na carreira. 

Leia também:

Já Berrettini, apesar da derrota, terminou a competição em alta. Primeiro italiano na história a se classificar para a final de Wimbledon, ele fez a sua estreia em decisões de Grand Slams. No ranking da ATP (Associação dos Profissionais do Tênis), ainda não atualizado com a decisão deste domingo, o atleta aparece em nono lugar. 

A última vez que a Itália teve um vencedor de Grand Slam no simples masculino foi em 1976, em Roland Garros, com Adriano Panatta. 

Foi apenas o terceiro encontro entre Djokovic e Berrettini, e o sérvio levou a melhor em todos eles. Ele venceu 7 dos 9 sets disputados, o que evidencia sua supremacia contra o adversário da final. 

Contra o italiano, Djokovic parecia que teria uma vitória tranquila. Só parecia. O sérvio foi o primeiro a quebrar o saque do adversário no quarto game. Atrás no placar, Berrettini sofreu no início com erros não forçados, mas conseguiu reagir com bons saques e slices e devolveu a quebra. 

No tie-break, Berrettini emplacou boas jogadas com subida à rede e pontos de saque para vencer o primeiro set. 

Depois, o italiano pareceu ter relaxado, e Djokovic fez prevalecer sua experiência. O sérvio quebrou os dois primeiros serviços do adversário e abriu uma vantagem de 4 games a 0 no segundo set e seguiu tranquilo para empatar a partida em um a um. 

Os disputados terceiro e quarto set destacam o italiano como uma das grandes promessas do tênis mundial. Há três semanas, ele conquistou o ATP 500 de Queen's, também em Londres, seu maior título da carreira até aqui. 

Cerca de 15 mil pessoas acompanharam in loco mais uma página da história do tênis ser escrita em Londres. Assim como no sábado (10), na decisão do torneio feminino, as arquibancadas ficaram cheias, com capacidade máxima da torcida liberada (15 mil espectadores). A torcida para o italiano foi mais frenética, empurrando o tenista em momentos decisivos. 

Foi a sétima final e o sexto título conquistado por Djokovic na grama inglesa. Além do troféu deste domingo, o sérvio tem no currículo vitórias em Wimbledon em 2011, 2014, 2015, 2018 e 2019. Em 2013, ele foi vice-campeão. 

Apenas o norte-americano Pete Sampras (sete títulos), o britânico William Renshaw (sete títulos) e Roger Federer (oito títulos) estão à sua frente no ranking dos maiores vencedores do torneio mais antigo de tênis do mundo. 

Com a vitória deste domingo, o sérvio mostrou mais uma vez ser decisivo e aumentou seu aproveitamento nas finais. Foi a 30ª final de Grand Slam da carreira de Djokovic, com 20 vitórias, um ótimo aproveitamento de 66,6%. 

O título também coroa a excelente temporada do sérvio, que só neste ano acumula 18 vitórias consecutivas. Em Wimbledon, a invencibilidade é maior. Sua última derrota no torneio londrino foi em 2017, quando perdeu para Tomas Berdych, da República Checa. 

A temporada, porém, pode ser ainda mais especial para o sérvio. Ele mantém as chances de vencer os quatro Grand Slams do ano -além de Wimbledon, Djokovic venceu o Australian Open e Roland Garros. O último tenista a atingir tal feito foi o australiano Rod Laver, em 1969. 

Confirmado na Olimpíada de Tóquio, o sérvio pode conquistar também o chamado Golden Slam, conjunto de títulos dos slams mais a medalha de ouro olímpica em simples. 

A partida teve também outra marca histórica. Pela primeira vez uma mulher, a croata e juíza de cadeira Marija Cicak, 43, conduziu o jogo final masculino do torneio. 

No sábado (10), a australiana Ashleigh Barty, 25, venceu a tcheca Karolina Pliskova, 29, por 2 sets a 1 (6/3, 6/7 e 6/3), e levou a taça no torneio de simples feminino em Wimbledon. 

Foi o primeiro título de Barty na grama inglesa e o segundo Grand Slam de sua carreira. 

Outros campeões veteranos de Wimbledon não tiveram sorte nesta edição. Com sete títulos, Serena Williams, 39, abandonou logo na estreia, após sofrer lesão na partida contra Aliaksandra Sasnovich. Já Roger Federer, 39, foi derrotado nas quartas de final pelo polonês Hubert Hurkacz. Ele tentava se tornar o tenista mais velho a chegar à semifinal da competição. 

TENISTAS COM MAIS TÍTULOS DE GRAND SLAM ENTRE OS HOMENS 

1º Roger Federer 20 

1º Rafael Nadal 20 

1º Novak Djokovic 20 

4º Pete Sampras 14 

5º Roy Emerson 12 

6º Rod Laver 11 

6º Björn Borg 11 

8º Bill Tilden 10 

OS TÍTULOS DE NOVAK DJOKOVIC 

Australian Open (2008, 2011, 2012, 2013, 2015, 2016, 2019, 2020, 2021) 

Roland Garros (2016, 2021) 

Wimbledon (2011, 2014, 2015, 2018, 2019, 2021) 

US Open (2011, 2015, 2018)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos