Do “BBB” a “Travessia”: por que 2022 foi o melhor pior ano de Jade Picon

Pelo bem ou pelo mal, os últimos meses marcaram para sempre a vida da atriz e influencer

Jade Picon no
Jade Picon no "BBB" e em "Travessia" (Foto: divulgação/Globo)

Dezembro está chegando ao fim e, agora, podemos cravar: bem ou mal, Jade Picon não saiu da boca (e dos olhos!) do público em 2022. Tudo começou em janeiro, claro, com ela sendo a última e mais aguardada famosa a entrar no “BBB 22”.

Ao longo das semanas em que ficou confinada, a atriz e influencer foi de patricinha mimada a possível vencedora e, depois de muitos atritos com Arthur Aguiar, que acabou ganhando a edição, deixou a casa mais vigiada do Brasil como alguém egocêntrica e calculista na visão de muitos.

Mesmo assim, pelos memes, pelo breve romance com Paulo André Camilo (que não vingou aqui fora) e pela postura firme no jogo, Jade garantiu uma posição de protagonismo no programa e não só ganhou ainda mais fãs como chamou a atenção de Gloria Perez, o que lhe rendeu um ótimo papel em “Travessia”, atual novela das 21h da Globo.

Apesar de sempre ter sonhado em se tornar atriz, ela nunca estudou para tal — Jade se manteve focada no trabalho com as redes sociais e, posteriormente, na própria marca de roupas, que deram tão certo a ponto de se tornarem prioridade na sua agenda. No entanto, isso não a poupou em nada com relação às críticas e piadas por aceitar interpretar Chiara e pelo desempenho em si.

No que parece ser sua última polêmica do ano, a intérprete da filha de Guerra agora encara uma série de comentários negativos sobre o presente que deu aos integrantes da banda Jovem Dionísio no amigo secreto do "Fantástico". Em resposta aos haters, ela escreveu nas redes sociais algo que, na verdade, vale para tudo que aconteceu até aqui e para o que ainda está por vir.

"Eu vivo em paz porque sei que, independentemente do que eu fizer, vão falar. E, a partir do momento que você percebe que o efeito vai ser sempre esse, você se liberta da pressão dos julgamentos. Se eu desse um presente “caro” ou qualquer outro, iam achar um jeito de falar. Ou seja: viva", tweetou.