Doações de alimentos em postos de vacinação do Rio caem 82%

·3 minuto de leitura

RIO — A arrecadação de alimentos nos postos de vacinação do Rio tiveram uma queda de 82% em maio em relação ao mês anterior. Após receber 45 toneladas de doações em abril, a campanha Rio Contra a Fome, promovida pela prefeitura, angariou apenas oito toneladas no mês passado.

Para tentar reverter esse quadro, a Secretaria especial da Juventude Carioca (JUVRio) fechou um acordo de cooperação com a ONG internacional Community Organized Relief Effort (Core). A organização vai fornecer U$ 50 mil, que equivale a aproximadamente R$ 250 mil, para apoiar na logística de distribuição dos alimentos arrecadados na campanha por um período de 45 dias. A JUVRio continua responsável por gerenciar a campanha, além de supervisionar e fiscalizar a atuação da organização parceira.

O secretário da JUVRio, Salvino Oliveira, explica que a parceria com o Core é mais um esforço para reforçar as doações com a retomada do calendário de vacinação por faixa etária.

— Esse apoio saiu em boa hora, no momento em que mais precisamos da solidariedade do carioca para retomar o volume de doações do primeiro mês. Estamos com a logística preparada para receber ainda mais alimentos e distribuir para quem precisa nas favelas e periferias de todas as regiões — afirma.

Um dos principais desafios observados após o início da operação da Rio Contra a Fome é fazer com que os alimentos cheguem a todos os lugares. As áreas de maior poder socioeconômico da cidade são as que recebem mais doações, geralmente distantes de onde habita a população que necessita.

Em particular, foram identificadas três zonas vulneráveis, localizadas nas Áreas de Planejamento (AP) denominadas AP3 (Méier, Jacarezinho, Irajá, Madureira, Inhaúma, Complexo do Alemão, Penha, Anchieta, Vigário Geral, Pavuna e Ilha do Governador), AP4 (Jacarepaguá e Cidade de Deus) e AP5 (Bangu, Realengo, Campo Grande, Santa Cruz e Guaratiba).

A parceria com o CORE vai viabilizar a atuação dos voluntários oferecendo subsídios para transporte e alimentação. Outra demanda das organizações sociais para otimizar a campanha é a aquisição de sacos de cestas básicas para colocar os alimentos e fazer a distribuição para as pessoas nas comunidades e coletes para identificar os colaboradores.

Os alimentos arrecadados nos mais de 250 pontos de vacinação serão retirados e levados para quatro pontos principais escolhidos de acordo com as áreas mais vulneráveis: quadra da Portela (Zona Norte), Sambódromo (Centro), quadra da Mocidade e Espaço Hall, ambos na Zona Oeste. Lá serão armazenados e organizados para serem distribuídos para os coletivos da região, resolvendo outra demanda das organizações parceiras que era a de concentrar as entregas de forma semanal.

Ampliação da testagem

Além de apoiar a JUVRio, a ONG Core se comprometeu a apoiar a campanha de vacinação e a realizar a testagem contra o novo coronavírus na cidade. Os postos de imunização geridos pela Core estão localizados em áreas de maior necessidade de distribuição de alimentos, as APs que precisam de reforço na campanha.

A Core desenvolve trabalho em ajuda de emergência em países como Haiti, Bahamas, Porto Rico e Estados Unidos a fim de enfrentar os danos imediatos de desastres naturais com o objetivo de estabilizar a comunidade local através da prestação de serviços de logística, saúde, infraestrutura e distribuição de alimentos.