Doadores prometem ajuda para reconstruir Paquistão

Perante as cheias devastadoras no Paquistão, no verão passado, a comunidade internacional prometeu milhares de milhões de euros em ajuda, na conferência de doadores agora organizada pela ONU em Genebra.

A catástrofe, que os peritos atribuem às mudanças climáticas, matou mais de 1700 pessoas e fez cerca de oito milhões de deslocados.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, diz que é preciso apoio a longo prazo: "Precisamos de uma resposta heroica para o povo do Paquistão, com o nosso esforço e um investimento em massa para fortalecer estas comunidades no futuro. Reconstruir o Paquistão de forma resiliente vai custar, para já, mais de 16 mil milhões de dólares, e muito mais no futuro", disse.

Reconstruir o Paquistão de forma resiliente vai custar, para já, mais de 16 mil milhões de dólares, e muito mais no futuro.

Metade desse valor deve vir da comunidade internacional. Emmanuel Macron diz que França está pronta para fazer a sua parte: "Decidimos mobilizar um total de 360 milhões de euros em ajuda ao Paquistão, para projetos que serão lançados para responder ao desafio da reconstrução resiliente e da adaptação climática", disse o presidente francês.

A conferência é vista como um teste à vontade dos países mais ricos em ajudar os países em desenvolvimento afetados por catástrofes climáticas, um compromisso recentemente feito na COP27 no Egito.