Dobra o número de universidades brasileiras entre as melhores do mundo, mas nenhuma entra no top 100

·2 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** RIO DE JANEIRO, RJ, 03.09.2020 - Fachada do Palácio Universitário, localizado no campus Praia Vermelha da UFRJ, que completa 100 anos de existência. A instituição está entre as primeiras em rankins universitário do país. (Foto: Ricardo Borges/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** RIO DE JANEIRO, RJ, 03.09.2020 - Fachada do Palácio Universitário, localizado no campus Praia Vermelha da UFRJ, que completa 100 anos de existência. A instituição está entre as primeiras em rankins universitário do país. (Foto: Ricardo Borges/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Brasil é o país da América Latina com o maior número de universidades entre as mais reconhecidas do mundo. Segundo a última avaliação da QS (Quacquarelli Symonds), 27 instituições de ensino brasileiras entraram no ranking, 13 a mais que no ano passado.

Apesar do maior número de universidades reconhecidas, nenhuma delas aparece entre as cem melhores do mundo.

"Os resultados brasileiros sugerem que acadêmicos e empregadores em todo o mundo estão cada vez mais propensos a indicar as universidades do país como fontes de pesquisa e graduados de alta qualidade", disse Ben Sowter, diretor de pesquisa da QS, sobre o aumento de instituições na lista.

No entanto, ele fez um alerta ao país sobre a necessidade de mais investimentos em ensino e pesquisa.

"Se as universidades do país quiserem fazer mais melhorias, será necessário expandir os recursos de ensino em todo o país, para que os alunos possam desfrutar de experiências de aprendizagem pessoais e atenciosas. Também será necessário traçar estratégias para aumentar a produção e o perfil da pesquisa brasileira."

As universidades federais, que são a maioria das mais bem avaliadas no país, enfrentam queda orçamentária. Das 27 instituições brasileiras que aparecem no ranking, 18 são da rede federal.

O orçamento discricionário das universidades aprovado para 2021 foi de R$ 4,3 bilhões, menor do que os R$ 5,4 bilhões do ano anterior. Elas temem não ter orçamento suficiente para concluir as atividades acadêmicas neste ano.

A mais bem posicionada é a USP, em 121º lugar, seguida pela Unicamp (219º) e a UFRJ (369º).

Melhor colocada do país há anos, a USP teve queda no ranking em relação à última edição, quando aparecia em 115º lugar. A universidade teve melhora no indicador de reputação acadêmica e reputação entre empregadores, no entanto, piorou nas avaliações ligadas à capacidade de ensino.

O ranking, divulgado nesta terça (8), é publicado anualmente e é uma das principais avaliações internacionais do ensino superior.

A classificação das instituições é feita por meio de seis indicadores: reputação acadêmica, reputação de empregabilidade, citações por faculdade, proporção de professores por aluno e quantidade de docentes e estudantes internacionais.

O MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) segue há 10 anos consecutivos como a universidade número um do mundo. A Universidade de Oxford alcançou o segundo lugar, seguida pelas Universidades de Stanford e Cambridge, que dividem o terceiro lugar. Acesse a lista completa: https://www.topuniversities.com/.

*

As dez universidades mais bem avaliadas do Brasil

121º: USP

219º: Unicamp

369º : UFRJ

434º: Unifesp

492º: Unesp

651-700: PUC-Rio

651-700: UFMG

751-800: UFRGS

801-1000: PUC-SP

801-1000: UnB