Dois americanos e um sul-africano são mortos a tiros em instalação de segurança da Jordânia

AMÃ (Reuters) - Um policial jordaniano matou dois norte-americanos e um sul-africano a tiros nesta segunda-feira em uma instalação de treinamento de forças de segurança iraquianas e palestinas financiada pelos Estados Unidos, e depois cometeu suicídio, afirmou uma fonte de segurança. O jordaniano saiu disparando pela localidade de Muaqar, nos arredores do sul da capital Amã, relatou a fonte, que pediu anonimato. Outra fonte de segurança declarou haver relatos ainda não confirmados de que pelo menos três outros efetivos norte-americanos teriam sido feridos. A Jordânia é aliada dos EUA e parte da coalizão criada por Washington que vem tentando derrotar o Estado Islâmico na Síria e no Iraque, ambos países que fazem fronteira com a Jordânia. O país acolhe várias centenas de treinadores dos EUA que são parte de um programa militar concebido para reforçar as defesas do reino, incluindo a presença de caças de combate F16 que usam campos aéreos jordanianos para alvejar posições do Estado Islâmico em solo sírio. Mas o papel do reino na guerra contra a facção islâmica tem causado tensão entre alguns cidadãos, preocupados com a instabilidade em suas divisas e temerosos de que uma atuação maior na campanha possa levar os militantes a atacarem seu país. O rei Abdullah acredita fervorosamente que os jihadistas linha-dura representam uma ameaça existencial à nação. (Por Suleiman Al-Khalidi)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos