Dois conventos na Itália são isolados após 59 freiras testarem positivo para coronavírus

Na Itália, país com maior número de mortes em decorrência do novo coronavírus, dois conventos foram isolados no último sábado, após terem sido registrados 59 casos positivos para a Covid-19. Há 19 freiras infectadas na Congregação das Angélicas de São Paulo, em Roma, e 40 entre as Filhas de São Camilo, em Grottaferrata, também na região do Lácio, incluindo uma hospitalizada.

"Também estamos imaginando o que fazer, também estamos tentando entender a situação, estamos recebendo muitas ligações e o superior está muito ocupado lidando com a emergência e não pode falar" afirmou uma das irmãs do Instituto das Filhas de São Camilo, de acordo com a agência de notícias "Ansa". "Mas estamos bem, esperamos dar mais informações quando a situação estiver mais clara".

As freiras camilianas trabalham com os doentes, mas somente elas residem nas instalações da Igreja.

Já no Instituto da Congregação das Angélicas de São Paulo, na capital italiana, é abrigado um jardim de infância, ensino fundamental, e uma turma do ensino médio. Os resultados dos testes da doença saíram quando as aulas já estavam suspensas.

A União Internacional das Madres Superioras Gerais divulgou uma mensagem aos fiéis no domingo, pedindo solidariedade uns com os outros, "especialmente com as pessoas mais vulneráveis ​​e em maior risco".

"É hora de seguir as diretrizes fornecidas pela Organização Mundial da Saúde e por nossos respectivos governos", acrescentou.