Dois estudos refutam forma de vida em arsênio anunciada em 2010 pela NASA

AFP9 de julho de 2012
Lago chinês Yangzonghai, na província de Yunnan, contaminado com arsênio em 2008.

Dois estudos científicos publicados neste domingo afirmam que um polêmico anúncio da Agência Espacial Norte-americana (NASA) de 2010 - que existe uma nova forma de vida bacteriana no arsênio - não está correto.

"Ao contrário do relatório original, a nova pesquisa mostra claramente que a bactéria GFAJ-1 não pode substituir o arsênio pelo fósforo para sobreviver", informa um comunicado de imprensa da revista Ciência, que publicou o estudo original.