Dois homens são mortos a tiros na Zona Oeste do Rio

Dois homens foram mortos, na noite desta terça-feira, no Catiri, em Bangu, na Zona Oeste do Rio. Segundo a Polícia Civil, uma das vítimas foi identificada como Alexandre Gama Araujo. A Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) foi acionada. Diligências estão em andamento para identificar o outro morto e apurar a autoria do crime.

No último dia 19, Marcos Antônio Figueiredo Martins, o "

. Segundo a Polícia Militar, agentes foram acionados para resolver um confronto entre criminosos na Comunidade da Guarda, em Del Castilho, Zona Norte da cidade. No local, policiais viram Catiri ferido.

Também conhecido como "Marquinho do Ouro", Marcos Antônio Figueiredo Martins era apontado como o chefe de um grupo paramilitar que atua sobretudo nos bairros de Bangu e Padre Miguel. Posteriormente, porém, a milícia comandada por ele expandiu-se também para a Zona Norte da cidade, dominando pontos em locais como Engenho de Dentro e Del Castilho.

Entre as fontes de renda da quadrilha, está a exploração de vans e a segurança clandestina imposta a moradores, pequenos comerciantes e empresas. Os paramilitares também lucram com a distribuição clandestina de TV a cabo e com a ocupação e comercialização irregular de terrenos nas localidades onde estão presentes. Fortemente armado, o bando é apontado como responsável por diversos homicídios.

Na favela do Catiri, em Bangu, reduto que rendeu o apelido a Marco Antônio, os criminosos utilizam o aterro sanitário de Gericinó, vizinho ao complexo penitenciário homônimo, como local de descarte dos corpos de desafetos. A informação consta em um inquérito remetido à Justiça pela Draco em 2016.

Em 2018, Catiri chegou a ser preso por agentes da Delegacia de Repressão as Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco). "Marquinho Catiri" estava dentro de uma academia de ginástica no Shopping Nova América, em Del Castilho, na Zona Norte do Rio,quando foi surpreendido pela presença dos policiais. No local, os agentes da Draco também abordaram três homens que acompanhavam o criminoso: um PM da ativa, lotado na UPP São Carlos, identificado como cabo Bruno Ramalho; outro policial militar da reserva, Pedro Paulo dos Santos; além do militar do Exército.