Dois homens suspeitos por agredir jovem gay são presos em Goiânia

Ana Beatriz Rosa

Dois homens suspeitos de agredirem verbal e fisicamente um jovem de 24 anos em Goiânia (GO) foram presos nesta quarta-feira (17). No boletim de ocorrência registrado no 4º Distrito Policial de Goiânia, o jovem afirmou que foi alvo de homofobia. A vítima procurou a delegacia após ser xingado e agredido por socos por três homens não identificados. 

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Carlos Caetano, a ocorrência foi inicialmente registrada como crimes de injúria e lesão corporal, mas será alterada para se enquadrar na lei de racismo, já que a agressão foi motivada por discriminação em relação à orientação sexual da vítima.

Em junho, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a LGBTfobia deve ser equiparada ao crime de racismo até que o Congresso Nacional crie uma legislação específica para esse tipo de violência.

Caso de lgbtfobia

No último dia 6 de julho, o jovem gay caminhava para o trabalho quando foi abordado por dois homens. De acordo com imagens gravadas por uma câmera de segurança, um rapaz desfere vários socos na vítima e, para tentar fugir da agressão, o jovem corre. No depoimento, a vítima acrescenta que um terceiro homem teria jogado um copo de vidro no seu rosto.

O jovem não conhecia os seus agressores que foram identificados pela polícia como os estudantes de Educação Física Caio César Rodrigues Sampaio e Lucas Vilela Martins, ambos de 20 anos.

Além das agressões físicas, a vítima também foi alvo de comentários homofóbicos.

“Me xingando de ‘viado’, de ‘bicha’, falando que minha roupa era roupa de ‘bicha’, que eu tinha que morrer porque não é certo ser ‘viado’. De que eu era ‘viado’ porque eu não apanhei o suficiente quando eu era criança. De que eles iam me ensinar a ser homem na porrada”, afirmou no depoimento.

De acordo com o advogado Eduardo Brown, responsável pela defesa dos agressores, o crime não deveria ser enquadrado na Lei de Racismo, pois “os jovens não...

Continue a ler no HuffPost