Dois mexicanos disfarçados de idosos foram vacinados contra covid-19 e acabaram presos

·2 minuto de leitura
Mulher é vacinada contra a covid-19 em Zapopan, estado de Jalisco, México, em 6 de abril de 2021

Dois homens na casa dos trinta anos conseguiram ser vacinados contra a covid-19 na Cidade do México após se disfarçarem de idosos, mas foram descobertos e estão presos, confirmaram nesta quarta-feira (7) as autoridades da capital.

“No caso desses dois jovens que se disfarçaram e receberam a vacina como idosos, ambos estão detidos com prisão justificada”, disse a prefeita Claudia Sheinbaum em coletiva de imprensa.

O caso ocorreu há duas semanas em um posto de vacinação da Marinha, no setor de Coyoacán, onde estavam sendo imunizados exclusivamente pessoas com mais de 60 anos, segundo a funcionária da prefeitura Cristina Cruz.

Os homens, de 30 e 35 anos, chegaram lá com cabelos e sobrancelhas pintados de branco, e usando máscaras e protetores faciais.

Os dois apresentaram documentos de identidade falsos e conseguiram receber a vacina, mas seu plano desmoronou quando foram forçados a falar com uma funcionária responsável pelo plano de vacinação.

“Uma colega percebeu pela voz que não coincidia (com a de um idoso) e foi aí que as autoridades foram chamadas”, contou Cruz, citada pelo portal de notícias UNOTV. Os impostores agora enfrentam acusações de roubo de identidade, acrescentou.

A vacinação no México começou em 24 de dezembro com os profissionais de saúde na linha de frente da pandemia, e atualmente se concentra nos idosos. Dessa forma, o governo espera reduzir as mortes em 80%.

O país tem relatado casos isolados de pessoas vacinadas violando o calendário estabelecido de acordo com critérios de idade. Sheinbaum garantiu nesta quarta que episódios desse tipo são raros na capital.

O porta-voz da estratégia governamental contra o coronavírus, Hugo López-Gatell, reprova esses comportamentos, mas disse que quem recebeu a primeira dose de forma irregular terá acesso à segunda para que recursos não sejam desperdiçados.

Negar a vacina a essas pessoas "implicaria exercer um ato de justiça com medidas de saúde pública", declarou ele após o caso de um oftalmologista que obteve ilegalmente o imunizante.

O México, com 126 milhões de habitantes, é o terceiro país mais atingido pela covid-19 em números absolutos, com 205.002 mortes e 2,2 milhões de infecções, segundo dados oficiais. Já foram aplicadas 9,6 milhões de doses da vacina no país.

nc/axm/mls/ic/am