Dois novos pacientes recebem corações de porcos geneticamente modificados nos EUA em transplantes bem sucedidos

Dois novos pacientes foram a segunda e a terceira pessoa a receberem corações de porcos geneticamente modificados em procedimentos considerados bem sucedidos pelos pesquisadores da Universidade de Nova York (NYU), nos Estados Unidos). Os cientistas afirmam ter sido um importante passo na busca por alternativas frente à falta de órgãos para transplante no país e no mundo. Antes da cirurgia, os pacientes, de 72 e 64 anos, tiveram quadros de morte encefálica declarados – quando o cérebro deixa de funcionar, mas os demais órgãos do corpo seguem ativos –, o que facilitou a adesão ao experimento.

Você fala sozinho? Saiba por que o hábito faz bem para a saúde mental

Lavagem nasal cresce no inverno: Aprenda como fazer a técnica e descubra riscos e benefícios

Conhecidos como xenotransplantes, os transplantes de órgãos de animais para humanos têm avançado na medicina, com o primeiro procedimento com um coração tendo sido realizado em janeiro deste ano, também nos EUA. O paciente, Steve Bennet, de 57 anos, morreu dois meses depois. Recentemente, os pesquisadores da Universidade de Maryland identificaram que o óbito foi decorrente de um caso de insuficiência cardíaca, e não de rejeição ao órgão. Mesmo não tendo resistido, o caso de Bennet foi considerado um sucesso. Para comparação, a primeira pessoa a receber um coração humano, na modalidade de transplante que conhecemos hoje, viveu apenas 18 dias após a operação, em 1967.

Os novos xenotransplantes foram conduzidos em Nova York nos dias 16 de junho e 6 de julho, e divulgados pelos pesquisadores nesta semana. Os órgãos foram monitorados durante três dias e não houve sinais de rejeição. Além disso, os corações passaram a funcionar de forma normal apenas com medicamentos comumente utilizados após transplantes, sem necessidade de suporte mecânico adicional.

Tratamento inovador contra o câncer: Anvisa autoriza 1º estudo para desenvolvimento de terapia CAR-T cell

Os cientistas explicam que foram adotados protocolos rígidos para evitar contaminação por zoonoses, doenças prevalentes em animais. Os órgãos foram desenvolvidos em porcos criados com dez modificações genéticas para prevenir a rejeição, crescimentos anormais e garantir que eles produzissem proteínas que regulam importantes processos biológicos no corpo humano.

De modo diferente do primeiro procedimento realizado em janeiro – quando, além das alterações nos genes, foi utilizada uma droga experimental para que o corpo não rejeitasse o órgão –, dessa vez não foram administrados outros medicamentos ou houve intervenção de aparelhos.

Vacinação para menores de 5 anos: CoronaVac é aprovada para crianças a partir de 3 anos; veja as principais dúvidas respondidas

“Nosso objetivo é integrar as práticas usadas em um transplante cardíaco típico e cotidiano, mas com um órgão não humano que funcionará normalmente sem ajuda adicional de dispositivos ou medicamentos não testados”, explica o diretor cirúrgico de transplante cardíaco do Instituto de Transplante da NYU, Nader Moazami, que liderou os procedimentos.

Os pesquisadores acreditam que os xenotransplantes podem revolucionar a área ser uma saída para a escassez de órgãos. O Brasil, que é o segundo maior transplantador no mundo, com 88% dos procedimentos sendo realizados no Sistema Único de Saúde (SUS), também sofre com a queda dos doadores. Segundo um levantamento do Ministério da Saúde, entre janeiro e novembro de 2021, foram 12 mil transplantes, contra 13 mil no mesmo período do ano anterior. Consequentemente, a lista de espera por um órgão aumentou. Em 2020, eram 32.900 pessoas aguardando, número que subiu para 34.380 no ano seguinte.

Problemas de memória? Veja 7 dicas de um neurocientista para turbinar o cérebro

Xenotransplantes avançam

Os pesquisadores de Nova York também foram os responsáveis pela primeira vez em que um órgão geneticamente modificado de um animal foi transplantado para um humano, em setembro do ano passado. Na época, o rim de um porco foi colocado numa paciente com disfunção renal, que também havia passado por uma morte cerebral, e o procedimento foi considerado bem sucedido, segundo anúncio dos responsáveis em outubro.

Três meses depois, em janeiro deste ano, o segundo transplante com um rim de porco foi divulgado por médicos da Universidade do Alabama (UAB). A operação foi conduzida poucos dias depois da primeira, ainda em setembro de 2021, também nos EUA, num paciente de 57 anos com morte cerebral. O procedimento envolveu a troca de ambos os rins, que funcionaram no corpo humano.

"Os rins transplantados filtraram sangue, produziram urina e, o mais importante, não foram imediatamente rejeitados", disse a UAB em comunicado na época.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos