Dólar passa de R$ 5,90 com tensão sobre futuro de Bolsonaro no governo

Foto: YASUYOSHI CHIBA/AFP via Getty Images

A tensão em torno do presidente Jair Bolsonaro e movimentações do mercado internacional fizeram o dólar passar de R$ 5,90 durante o pregão desta quarta-feira (13). Na véspera, a moeda americana fechou no valor nominal recorde de R$ 5,86 - alta de 0,71%.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Depois de um começo otimista, caindo 0,80% na mínima do pregão - atingida às 9h58 -, logo em seguida, às 11:58, o dólar já avançava 0,92%, a R$ 5,91. Na máxima da sessão, o dólar bateu o pico recorde intradia de R$ 5,94 na venda.

Leia também

O que explica, em parte, a desvalorização do real é a incerteza do investidor em relação ao futuro político do Brasil. Gerou apreensão no mercado a divulgação de vídeo de uma reunião ministerial que poderia comprometer o presidente Jair Bolsonaro.

Na reunião, Bolsonaro, exaltado, teria ameaçado ministros e exigido mudanças na Polícia Federal para proteger a família, segundo pessoas que viram o vídeo, ainda sob sigilo judicial. O inquérito que pode comprometer o presidente impede que o mercado tenha certezas sobre o futuro da política econômica.

No exterior, pesou o comentário de Jerome Powell, chefe do Fed, espécie de Receita Federal dos Estados Unidos, de que os Estados Unidos podem enfrentar um "período prolongado" de crescimento fraco por conta da pandemia do novo coronavírus.

"Tinha uma expectativa do mercado de que Powell poderia sinalizar juros negativos nos EUA depois que o (presidente norte-americano) Donald Trump renovou as pressões acerca do assunto ontem", disse Luciano Rostagno, estrategista-chefe do banco Mizuho, à Reuters. "A fala de Powell frustrou os investidores e fez com que os mercados virassem."

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.