Dom e Bruno: PF diz que nada foi encontrado em buscas nesta segunda

Ainda não há novos indícios no desaparecimento do indigenista Bruno Pereira (à esq.) e do jornalista britânico Dom Phillips, segundo a nota da PF, que negou que corpos foram encontrados na região. (Foto: Reprodução)
Ainda não há novos indícios no desaparecimento do indigenista Bruno Pereira (à esq.) e do jornalista britânico Dom Phillips, segundo a nota da PF, que negou que corpos foram encontrados na região. (Foto: Reprodução)

A Polícia Federal informou na noite desta segunda-feira que não encontrou qualquer novo indício sobre o desaparecimento do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, desaparecidos na região do Vale do Javari há oito dias.

No domingo, o Corpo de Bombeiros do Amazonas havia encontrado uma mochila e um par de sandálias na área de busca.

Mais cedo, o jornalista André Trigueiro, da GloboNews, disse que os corpos teriam sido localizados, de acordo com informações de Alessandra Sampaio, esposa do jornalista inglês.

Segundo Paul Sherwood, cunhado de Dom, o embaixador do Reino Unido no Brasil ligou para a família para informar sobre a localização de dois corpos, mas negou que tinham sido identificados.

A esposa de Bruno Pereira, Beatriz Matos, segundo o jornal O Estado de S. Paulo, cobrou esclarecimentos sobre o paradeiro de indigenista.

"A Polícia Federal tem o compromisso de passar as informações para a família primeiro e para a superintendência de Manaus, eles confirmaram para gente que nenhum corpo foi encontrado, conforme nota oficial. É necessário que se apure de onde o embaixador tirou essa informação", disse ela.

Segundo a nota, sobre "o material orgânico aparentemente humano e as amostras de sangue anteriormente coletados", a entidade informou que "a perícia está sendo realizada e o resultado deverá sair no decorrer dessa semana". Ainda na nota, a entidade informou que, "além dos esforços concentrados no referido local, as buscas continuaram em outras áreas do Rio Itaquaí".

O desaparecimento da dupla foi alertado pela Univaja na segunda-feira, dia 6. O Vale do Javari é a região com a maior concentração de povos indígenas isolados do mundo.

Uma testemunha-chave afirmou ter visto Amarildo da Costa Oliveira, o Pelado, suspeito de envolvimento no desaparecimento da dupla, carregar uma espingarda e fazer um cinto de munições pouco depois que o indigenista Bruno Pereira e o jornalista inglês Dom Phillips deixaram a comunidade de São Rafael com destino à Atalaia do Norte, na manhã do domingo, dia 5, data em que foram vistos pela última vez.

Leia a íntegra da nota da Polícia Federal:

“O Comitê de crise, coordenado pela Polícia Federal/AM, informa que as buscas do Sr. Bruno Pereira e do Sr. Dom Phillips foram realizadas até às 18hs (horário de Brasília) de hoje, mas nada foi encontrado.

Além dos esforços concentrados no referido local, as buscas continuaram em outras áreas do Rio Itaquaí e as investigações continuam sendo realizadas de forma técnica, sem que esforços materiais e humanos sejam poupados para a completa elucidação dos fatos.

Quanto ao material orgânico aparentemente humano e as amostras de sangue anteriormente coletados, informa-se que a perícia está sendo realizada e o resultado deverá sair no decorrer dessa semana.

Os órgãos federais e estaduais reforçam que não há nada mais importante do que a busca pelos senhores Bruno Pereira e Dom Phillips e reiteram a esperança de encontrá-los.”

Entenda o caso

Phillips e Pereira estavam desaparecidos desde o dia 5, quando foram vistos pela última vez navegando pela Terra Indígena Vale Javari.

No local, eles conversaram com a esposa de um líder comunitário apelidado de Churrasco. Em seguida, partiram rumo a Atalaia do Norte, viagem que costuma levar duas horas, mas não chegaram ao destino.

Eles viajavam com uma embarcação nova, de 40 cavalos e 70 litros de gasolina, o suficiente para a viagem.

A área onde eles desapareceram é alvo constante de conflitos relacionados a tráfico de drogas, roubo de madeira e garimpo ilegal.

A União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja) deu início às buscas no domingo (5), quando os dois não chegaram ao destino final em Atalaia do Norte. No dia seguinte (6), a organização comunicou as autoridades sobre o sumiço.

Ainda segundo a Univaja, tanto Phillips quanto Pereira eram alvos constantes de ameaças de madeireiros, garimpeiros e pescadores.

Suspeito foi preso

Suspeito de envolvimento no desaparecimento do jornalista e do indigenista, Amarildo da Costa de Oliveira, apelidado de “Pelado”, foi preso na última terça-feira (7).

A polícia explicou que o rapaz foi detido em flagrante por posse de munição de uso restrito e permitido. Com ele, foram apreendidos chumbinhos.

A PM realizou busca na residência do suspeito após receber denúncia anônima de uma suposta participação do rapaz de 41 anos no crime. A defesa nega que ele tenha envolvimento no caso.

com informações do O Globo

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos