Dominion, a empresa de tecnologia de votação na mira de Trump

·2 minuto de leitura
(29 out) Eleitora vota na capital americana
(29 out) Eleitora vota na capital americana

As alegações de fraude eleitoral feitas pelo presidente americano, Donald Trump têm como alvo a empresa Dominion Voting Systems, que ele afirma ter adulterado milhões de cédulas eletrônicas. Segue abaixo o que sabemos sobre este caso:

- Quem é a Dominion? -

A Dominion Voting Systems é uma empresa canadense fundada em 2003, que tem sua sede americana em Denver, Colorado. Especializada em tecnologia eleitoral, proporciona a autoridades as máquinas e o software associado que muitos americanos usam para votar.

Segundo um estudo da Wharton School, da Universidade da Pensilvânia, a tecnologia da empresa foi usada por mais de 71 milhões de eleitores americanos nas eleições de 2016, em 1.635 localidades, o que a converte no segundo maior provedor do país - atrás da Election Systems & Software - no mercado de tecnologia de votação americano.

- O que Trump alega? -

O presidente americano tuitou esta semana uma informação da rede conservadora One America News Network (OANN) segundo a qual o software da Dominion teria "apagado 2,7 milhões de votos para Trump em todo o país", e que centenas de milhares de votos destinados a ele teriam sido desviados para seu rival, Joe Biden, nos estados que usam a tecnologia da Dominion.

Desde então, apoiadores de Trump se baseiam nessa informação para reforçar o discurso de fraude eleitoral em larga escala que denunciam sem provas, a começar pelo advogado pessoal do presidente, Rudy Giuliani, que declarou neste domingo à rede conservadora Fox News que a Dominion "é uma empresa da esquerda radical".

"Uma empresa estrangeira, que tem vínculos estreitos com a Venezuela e, portanto, com a China, e que utiliza um software de uma empresa venezuelana usado para fraudar eleições em outros países", afirmou Giuliani, entre outras acusações com conotação conspiratória.

- O que aconteceu? -

A OANN não publicou uma versão digital de sua reportagem sobre a Dominion que Trump citou no Twitter na última quinta-feira. O presidente da emissora informou à rede de TV CNN que a mesma apareceria em uma investigação que seria divulgada nos próximos dias 21 e 22, sem mencionar as provas em que se baseava.

A Dominion Voting Systems negou que seu sistema de votação tenha sido usado de forma fraudulenta, apontando "falhas humanas" no processamento dos dados de "certos condados", em particular no Michigan, e assinalando que esses incidentes isolados foram rapidamente resolvidos.

Autoridades eleitorais locais e nacionais, entre elas a Agência de Segurança Cibernética e de Infraestrutura (Cisa), que faz parte do Departamento de Segurança Nacional, descartaram na última quinta-feira a possibilidade de manipulação dos votos através das máquinas.

sdu/jca/yo/gma/lb