Dona de canil é condenada por maus-tratos contra 1.708 cães resgatados por Luisa Mell

A Justiça de São Paulo condenou a dona de um canil situado na cidade de Piedade, no interior do estado, por maus-tratos contra pelo menos 1.708 cães. Conforme a decisão, publicada na última terça-feira, a proprietária do Canil Céu Azul deve cumprir pena de cinco meses de detenção, em regime inicial aberto, e multa.

Maus-tratos: Justiça de SP mantém com Luisa Mell a guarda de 1,7 mil cães resgatados

Luisa Mell: Ativista resgata animal com patas e orelhas cortadas e artistas comentam crueldade

A juíza Francisca Cristina Müller de Abreu Dall'aglio também estabeleceu, na sentença, que a ré pode permanecer em liberdade durante a fase de recursos e até o trânsito em julgado da condenação. A informação foi publicada pelo site "Migalhas" e confirmado por O GLOBO.

Os animais foram resgatados pela Polícia Militar em 13 de fevereiro de 2019 e entregues para cuidados do Instituto Luisa Mell. De acordo com a denúncia, os bichos viviam em um canil "bastante sujo (principalmente, com muitas fezes) e com muitos animais aglomerados, em baias e gaiolas, sendo que algumas delas estavam no banheiro".

Os agentes tinham encontrado cachorros de várias raças - como , Yorkshire Terrier, Spitz Alemão, Shitzu, Pug, Poodle, Shnauzer, Pequinês, Daschund, Buldogue, Maltês, Scoth Terrier, Beagle, Papillon e Chiuaua - em péssimas condições.

Polícia investiga: Professora é encontrada morta após sair de casa para visitar a mãe, em SP

Até mesmo a enfermaria tinha falta de higiene. Segundo a denúncia do Ministério Público de São Paulo, o ambiente era desorganizado e com "fezes em quase todos os recintos, área insuficiente para banho de sol ou para que os animais pudessem se exercitar devidamente".

Após o resgate, Luiza Mell usou as redes sociais para denunciar o canil. Ela acabou alvo de uma ação judicial por parte da proprietária do estabelecimento, que pediu a devolução dos bichos e uma uma indenização por dano moral, pois a ativista compartilhou nas redes sociais a ação de resgate dos cachorros.

A Justiça de São Paulo, no entanto, manteve a guarda dos animais resgatados com a ONG e rejeitou o pedido de indenização por dano moral.