Donald Trump e os filhos vão ser julgados por fraude fiscal

Após três anos de investigação sobre as práticas fiscais do universo empresarial Trump, a procuradora de Nova Iorque anunciou que processou o ex-presidente dos Estados Unidos, os seus filhos e a Organização Trump.

Letitia James diz que a família Trump "exagerou a avaliação dos seus bens e deflacionou o seu património líquido em milhares de milhões para obter benefícios fiscais e de seguros". Estão indiciados Donald Trump, Donald Junior, Ivanka e Eric Trump e mais dois executivos da empresa.

"Descobrimos que Trump, a sua família e a Organização Trump utilizaram avaliações de ativos fraudulentas e enganosas cerca de 200 vezes ao longo de 10 anos nas suas declarações financeiras anuais. Essas declarações foram utilizadas para obter centenas de milhões de dólares em empréstimos e cobertura de seguros", explicou.

Numa ação cível, a procuradoria vai tentar fazer pagar ao ex-presidente 250 milhões de dólares em multas, proibir definitivamente a sua família de realizar negócios em Nova Iorque e impedi-la de comprar imóveis comerciais durante os próximos cinco anos.

Para além disso, o dossiê será enviado para o Departamento de Justiça dos Estados Unidos para a instauração do processo-crime.

"Não existem duas leis diferentes para as pessoas desta nação. Os ex-presidentes devem ter os mesmos padrões que os americanos comuns", escreveu a procuradora no Twitter ao anunciar a decisão.

Numa primeira reação, o porta-voz de Donald Trump declarou que ele está a ser vítima de uma "perseguição política".