Donald Trump vai à Justiça para reabrir conta no Twitter

·1 minuto de leitura
Foto: Getty Images.
Foto: Getty Images.
  • O magnata entrou com um pedido de liminar contra o Twitter no Tribunal Distrital dos EUA, na Flórida;

  • Segundo Trump, a rede social foi coagida a fechar a conta por membros do Congresso;

  • Em sua demanda, o ex-presidente afirma que o Twitter permitiu o Talibã a postar comentários.

Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos, pediu a um juiz federal da Flórida para que force o Twitter a restaurar sua conta pessoal na rede social.

O magnata entrou com um pedido de liminar contra a empresa no Tribunal Distrital dos Estados Unidos no Distrito Sul da Flórida. De acordo com o Trump, o Twitter foi coagido por membros do Congresso dos EUA a suspender a conta.

Leia também:

O ex-presidente, que era um assíduo usuário da plataforma, perdeu acesso a essa, que era uma de suas principais ferramentas de comunicação, após a invasão do Capitólio, no dia 6 de janeiro, por risco de incitação à violência.

Antes da invasão, o ex-presidente inflamou seus seguidores por meio de um discurso no qual conclamava alegações sobre uma suposta fraude generalizada. Previamente à última derrubada da conta, o Twitter já havia suspendido Trump por 12 horas, após os incidentes na sede do Poder Legislativo, em Washington.

Na sua demanda com a Justiça, o ex-presidente afirma que a rede social permitiu que os talibãs tuitassem na plataforma sobre suas vitórias militares no Afeganistão.

Na sua candidatura de 2015, a conta de Trump tinha 2,98 milhões de seguidores. Em 2016, após a eleição, contava com 13 milhões. Pouco antes do encerramento, o magnata era seguido por 88 milhões de usuários.

As informações são da Reuters.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos