Separatistas de Donetsk, Luhansk, Zaporíjia e Kherson anunciam referendos

A contraofensiva do exército ucraniano precipitou os planos do Kremlin de anexar o território controlado pelas tropas de Moscovo. Esta terça-feira, os chefes da administração das regiões ocupadas de Kherson e Zaporíjia anunciaram a realização iminente de um referendo sobre a adesão à Rússia. Tal como em Luhansk e Donetsk, os referendos serão realizados entre 23 e 27 de setembro.

O ministro do negócio estrangeiros da Rússia já reagiu ao anúncio desta terça. "Desde o início da operação militar especial, e em geral também durante o período que a antecedeu, dissemos que os povos dos territórios em causa deveriam decidir o seu próprio destino. E toda a situação atual confirma que eles querem ser senhores do seu próprio destino", declarou Sergey Lavrov.

Para a Ucrânia, estes referendos são o reflexo do desespero da Rússia depois de ver as suas tropas recuar, por vezes de forma caótica, face à ofensiva lançada por Kiev. Um conselheiro do presidente ucraniano disse que falar sobre anexação é pouco mais do que um "sedativo" para um povo russo que tenta dar sentido às perdas no campo de batalha.

No terreno, continuam as investigações sobre possíveis crimes de guerra cometidos pelas tropas russas em Izium. Numa floresta próxima desta cidade, recentemente libertada, foram encontrados 450 cadáveres, a maioria de civis, e muitos com sinais de tortura.