Dono da Kiss denuncia Fux à Comissão Interamericana de Direitos Humanos por veto a habeas corpus

·2 min de leitura
***ARQUIVO***SANTA MARIA, RS, 18.11.2021 - Fachada da Boate Kiss, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul. (Foto: Daniel Marenco/Folhapress)
***ARQUIVO***SANTA MARIA, RS, 18.11.2021 - Fachada da Boate Kiss, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul. (Foto: Daniel Marenco/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os advogados de defesa de Elissandro Callegaro Spohr, sócio-proprietário da Kiss, enviaram um requerimento à CIDH (Comissão Interamericana de Direitos Humanos) contra a medida do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luiz Fux, de vetar a soltura dos quatro condenados pelas 242 mortes ocorridas no incêndio da boate, em 2013, na cidade de Santa Maria (RS).

O caso foi enviado à comissão nesta terça-feira (21). O texto afirma que o ministro Fux "manteve presos, em situação de risco, cidadãos que ainda não tiveram sua responsabilidade criminal comprovada e que possuem habeas corpus liberatório concedido por autoridade competente". E chama a situação de "grave violação de direitos humanos".

Os advogados pedem o "livre acesso ao instrumento de habeas corpus" e que sua eficácia seja resguardada, "impedindo seu indeferimento ou descaracterização prévia por ato individual e arbitrária de autoridade. E pedem medida cautelar que conceda liberdade imediata para Spohr, para que ele possa aguardar os recursos contra a decisão do tribunal do júri em liberdade.

Spohr foi condenado a 22 anos e seis meses de prisão em regime fechado pelos crimes de homicídio e tentativa de homicídio simples por dolo eventual. Os outros condenados foram o sócio dele na Kiss, Mauro Londero Hoffmann, o vocalista da banda Gurizada Fandangueira, Marcelo de Jesus dos Santos, e Luciano Bonilha Leão, assistente de palco do grupo musical.

O julgamento foi finalizado no dia 10 de dezembro e o juiz do caso, Orlando Faccini Neto, chegou a decretar a prisão dos réus, mas recebeu a comunicação de que o TJ-RS (Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul) havia concedido um habeas corpus preventivo que derrubava sua ordem.

O MP-RS (Ministério Público do Rio Grande do Sul), então, recorreu ao STF e obteve sucesso. Em sua decisão, Fux determinou a suspensão do habeas corpus concedido pelo TJ-RS "a fim que haja o cumprimento imediato das penas atribuídas aos réus".

Segundo Rodrigo Faucz Pereira e Silva, que integra o time de defesa de Elissandro Sphor com o criminalista Jader Marques, a decisão do ministro do STF viola preceitos da Constituição e da Convenção Internacional de Direitos Humanos.

"Ele [Elissandro Sphor] está preso sem necessidade pois teve um habeas corpus concedido pelo tribunal competente. O ministro Fux se atravessou por conta de um pedido do MP e gerou insegurança jurídica na comunidade", disse. "Eles [os condenados] devem ser considerados inocentes pois a decisão do tribunal do júri é de primeira instância".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos