A dor da esposa de nigeriano espancado até morrer na Itália

Alika Ogorchukwu
O vendedor Alika Ogorchukwu foi morto em uma rua movimentada de Civitanova Marce, na Itália

A esposa de Alika Ogorchukwu, um vendedor ambulante nigeriano assassinado na sexta-feira (29/7) na Itália, exige justiça.

Ogorchukwu, de 39 anos, vendia produtos na rua principal de Civitanova Marce, uma cidade litorânea no mar Adriático. Segundo a polícia, depois de algum contato com o vendedor, um homem o espancou até a morte.

A esposa do nigeriano, Charity Oriachi, concedeu uma entrevista neste domingo.

"Preciso de justiça para meu esposo. Isso é o que quero, porque a dor é muito grande para mim. Preciso de justiça", pediu Charity Oriachi, às lágrimas.

A morte do nigeriano, que deixa dois filhos, causou grande comoção na Itália, em especial porque ninguém defendeu a vítima, enquanto várias pessoas filmaram o ataque em pleno centro da cidade.

As imagens mostram um homem branco pressionando Ogorchukwu com força contra o chão, e este em vão tenta lutar por sua vida. A polícia prendeu um suspeito, um italiano de 32 anos, investigado por assassinato e roubo, já que teria levado o celular do ambulante após as agressões.

Em uma entrevista coletiva, a polícia anunciou que a investigação continua aberta e não trouxe, até o momento, indícios de que o crime tenha sido motivado por racismo. Para os policiais envolvidos no caso, a violência teria sido desencadeada pela interação dos dois homens na rua.

Corpo coberto na rua, com fita isolando o local
Foto da cena do crime divulgada pela polícia local

Em uma hipótese apresentada pelas autoridades, o nigeriano teria pedido dinheiro ao italiano que, por sua vez, recusou o pedido e depois partiu para as agressões.

O suspeito alegou que a briga começou porque a vítima "pediu esmola insistentemente" e agarrou o braço da namorada, que prestou depoimento como testemunha, de acordo com a agência de notícias EFE.

Clamores por justiça

Segundo informações apuradas pela BBC, Ogorchukwu começou a vender produtos na rua depois que sofreu um acidente automobilístico e perdeu o emprego devido às lesões que teve nas pernas.

No sábado, centenas de pessoas da comunidade nigeriana local protestaram nas ruas de Civitanova Marche exigindo justiça.

Políticos italianos de partidos diferentes condenaram o ataque.

"Uma brutalidade inédita. Indiferença generalizada. Não pode haver justificativa", escreveu no Twitter Enrico Letta, líder do partido Democrático, de esquerda.

Matteo Salvini, senador da extrema direita e ex-ministro, declarou que "a segurança não tem cor" e "precisa voltar a ser um direito humano".

O embaixador da Nigéria na Itália, Mfawa Omini Abam, condenou o ataque e enviou mensagens de condolências à esposa de Ogorchukwu e à família.

A embaixada disse que está trabalhando com as autoridades italianas para garantir que a justiça seja feita e também para ajudar a família de Ogorchukwu. O embaixador pediu que membros da comunidade nigeriana na Itália mantenham a calma e evitem fazer justiça com as próprias mãos.

- Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-62386773

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos