Doria anuncia fase emergencial em SP; entenda como funcionará

Anita Efraim
·3 minuto de leitura
Sao Paulo Governor Joao Doria gives a news conference at a vaccination center set up inside a public school in Serrana, Sao Paulo state, Brazil, Wednesday, Feb. 17, 2021. Brazil's Butantan Institute has started a mass vaccination on Wednesday of the city's entire adult population, about 30,000 people, to test the virus' behavior in response to the vaccine. (AP Photo/Andre Penner)
Decisão foi anunciada pelo governador João Doria nesta quarta-feira (Foto: AP Photo/Andre Penner)

O estado de São Paulo entrará na fase emergencial, uma etapa ainda mais rígida do Plano SP. O anúncio foi feito nesta quinta-feira, 10, pelo governador João Doria (PSDB). A decisão foi tomada após o estado chegar no pior momento da pandemia do coronavírus. A medida passa a valer na próxima segunda-feira, 15 de março, e vai durar duas semanas, até 30 de março.

O estado tem 9.184 pessoas internadas por covid-19, índice 47% maior do que no primeiro pico da pandemia. O objetivo da fase emergencial é reduzir em 4 milhões o número de pessoas que circulam diariamente no estado.

Leia também:

Como será a fase emergencial

Na fase emergencial, não poderão haver atividades esportivas, lojas de material de construção terão de fechar, assim como os serviços de retirada de todos os setores. O campeonato Paulista de futebol também será suspenso. Os jogos serão paralisados entre 15 e 30 de março. Dessa forma, as partidas do fim de semana poderão acontecer.

Os cultos religiosos também estão suspensos, mas as igrejas vão continuar abertas para aqueles que quiserem rezar de forma individual.

Drive-thrus e serviços de delivery de restaurantes e outros estabelecimentos comerciais poderão funcionar 24 horas por dia.

Slide apresentado pelo governo de São Paulo sobre alterações na chamada fase emergencial (Reprodução)
Slide apresentado pelo governo de São Paulo sobre alterações na chamada fase emergencial (Reprodução)

Como vai funcionar o toque de recolher

Será implementado um toque de recolher entre 20h e 5h. Não será permitido circular durante o período, a não ser que seja estritamente necessário. Além disso, estão proibidas todas as aglomerações, praias e parques não podem ser frequentados e as máscaras são obrigatórias em ambientes internos e externos.

"Esse é o momento mais difícil da pandemia que enfrentamos no nosso estado", declarou Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde do estado. "Nem a gripe espanhola assolou tantas vidas. Com a velocidade da pandemia muito mais rápida, acometendo de forma impiedosa um grande número de pessoas em um período curto de tempo, nossos hospitais estão começando a comprometer, vários já estão comprometidos."

"Hoje, 53 municípios estão com 100% na taxa de ocupação, lembrando que na segunda-feira nós tínhamos 32 municípios com esse percentual", afirmou Gorinchteyn. Na Grande São Paulo, a ocupação de leitos está em 86,7%, enquanto no estado o índice é de 87,6%.

Doria já havia adiantado o agravamento da situação na última quarta-feira. "É impopular, mas faremos tudo necessário para salvar vidas. É sabido que em vários hospitais não há mais vagas disponíveis", explicou o governador. "Não há situação mais trágica do que escolher quem deve viver e quem não deve." No entanto, o anúncio ficou para esta quinta.

Até o momento, São Paulo está na fase vermelha, em que apenas serviços essenciais podem funcionar, como farmácias, mercados, padarias, açougues, postos de combustível, lavanderias, transporte público, atividades religiosas, hotéis, bancos, pet shops e serviços de entregas e delivery.

Como vão funcionar as escolas

As escolas particulares poderão ficar abertas e podem receber até 35% dos alunos na sala de aula. No entanto, o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, recomendou que as atividades presenciais sejam reduzidas "ao mínimo possível". "Se ela puder fazer a distância, faça a distância", declarou.

Escolas estaduais seguirão abertas (REUTERS / Amanda Perobelli)
Escolas estaduais seguirão abertas (REUTERS / Amanda Perobelli)

Para diminuir o fluxo de alunos, o governo de estado ainda decretou duas semanas de recesso entre 15 e 28 de março, antecipando as semanas sem aulas em abril e em outubro. A medida vale para alunos da rede estadual.

Mesmo com as escolas sem aula, os estabelecimentos devem ficar abertos para que alunos possam retirar chips de internet e também merenda. Para isso, as famílias devem agendar horários.

Quais as principais mudanças da fase emergencial

  • Campeonato Paulista suspenso

  • Cultos religiosos suspensos

  • Restaurantes não podem mais fazer retirada de comida

  • Drive-thrus e serviços de delivery de restaurantes e outros estabelecimentos comerciais poderão funcionar 24 horas por dia