Doria anuncia volta ao setor privado e diz que faria tudo de novo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 31.03.2022 - João Doria, ao anunciar a renúncia do cargo de governador de São Paulo para disputar a Presidência da República, durante o Congresso Estadual de Municípios, no Palácio dos Bandeirantes. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 31.03.2022 - João Doria, ao anunciar a renúncia do cargo de governador de São Paulo para disputar a Presidência da República, durante o Congresso Estadual de Municípios, no Palácio dos Bandeirantes. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB) anunciou nesta segunda (13) que irá voltar ao setor privado.

Ele deixou o cargo em 31 de março para tentar disputar a Presidência, respaldado que estava como nome escolhido pelo partido em prévias no fim do ano passado.

O projeto não funcionou, dada a resistência interna da sigla, e Doria desistiu da postulação em 23 de maio. Seu partido decidiu apoiar a tentativa da senadora Simone Tebet (MDB-MS) de se viabilizar na disputa ao Planalto.

Doria irá integrar, ao lado do ex-chanceler Celso Lafer e do seu ex-secretário de Fazenda Henrique Meirelles, o conselho do grupo empresarial Lide, que era comandado por ele antes da entrada na vida pública como prefeito eleito de São Paulo em 2016 e agora é gerido por um de seus filhos.

"Eu sou um gestor. Não desrepeito os profissionais da política, mas sou um gestor da política", disse ele, que deixou a prefeitura em 2018 para vencer a eleição para o Palácio dos Bandeirantes.

Em rápido discurso a jornalistas em um hotel de São Paulo, Doria disse que não se arrependeu de "medidas impopulares" em sua gestão como governador, em especial no combate à pandemia da Covid-19.

Um dos motivos aferidos em pesquisas qualitativas que tentaram escrutinar a rejeição ao tucano no estado foi a percepção negativa de ações como o fechamento de setores do comércio para evitar a disseminação do Sars-CoV-2.

"Faria tudo de novo", afirmou, dizendo também que não deixará o PSDB. "Fico no Brasil", completou. Ele já tem, contudo, alguns compromissos agendados no exterior, como uma palestra em Oxford (Reino Unido) sobre conjuntura brasileira. Ele deverá também retomar a participação nos encontros promovidos pelo Lide.

Doria não falou de planos políticos. Aliados comentam que ele se colocou à disposição do sucessor, Rodrigo Garcia (PSDB), para trabalhar na campanha do ex-vice à reeleição. Céticos sobre a viabilidade de Tebet, eles dizem que o tucano não deverá ter papel ativo na campanha presidencial.

Mais tarde, Doria publicou no Twitter: "Deixo a vida pública com senso de dever cumprido. Pelos meus erros, peço desculpas. Pelos meus acertos, cumpri minha obrigação".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos