Doria chama militância de Bolsonaro de 'mortadela': 'Vai pra casa, vagabundo'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
The mayor of São Paulo, João Doria (PSDB), has ruled out any possibility of disputing previews against the governor of São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), to define the Toucan candidate who will contest the presidential elections of 2018. He also defended the immediate exit of the senator Aécio Neves (PSDB-MG) of the party presidency. In recent days rumors have grown that Alckmin could summon previews to bar Doria's rise in the PSDB. "I want to make it clear, straight and straight. I do not dispute with Geraldo Alckmin. He is a name that helped me and supported me. You've been my friend for 37 years. I would never do such an act of rebellion. I will not be disputing with Geraldo Alckmin, there is not the slightest chance. First of all I am not a candidate for anything to dispute anything. Then I do not see myself in that condition, "he said. Doria's statements were given in his program Eye in the Eye, transmitted by the mayor through his profiles in social networks. The toucan said it could evaluate several circumstances in the future, but stressed that none will make him bid for Alckmin. "You do not play a 37-year relationship in the trash for nothing." (Photo by Cris Faga/NurPhoto via Getty Images)
Após ser criticado por manifestantes, Doria mandou um deles ir 'comer mortadela'. (Foto: Cris Faga/NurPhoto via Getty Images)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Doria disparou contra manifestantes ‘bolsonaristas’ e mandou um deles ir ‘comer mortadela’

  • Em resposta, o grupo de manifestantes lembrou a campanha do ‘Bolsodoria’, lançada na eleição de 2018

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), discutiu com manifestantes que apoiam o presidente Jair Bolsonaro (PSL) durante evento em Taubaté, interior paulista, na noite desta terça-feira (15).

Desde a chegada de Doria na avenida do Povo, onde aconteceu o evento, ao menos seis integrantes do grupo "Direita Taubaté" discursavam contra o governador. Munidos com um microfone e cartazes, os manifestantes gritavam: "Pinóquio", "Pinóquio do pau oco" e "Doria surfou na 'onda Bolsonaro'".

Leia também

"Vai pra casa, vagabundo! Vai comer sua mortadela com a sua mãe, seu sem vergonha", chegou a gritar o tucano em resposta.

"Vai cobrar do Major Olímpio seus 'duzentinho' para vir aqui falar bobagem no microfone. Vai pra casa, aposentado", afirmou Doria, que participava do Feito em SP, uma competição que faz parte do programa SP Gastronomia.

Por pelo menos três vezes durante sua fala, Doria se voltou contra o grupo, sempre citando o senador Major Olímpio, do PSL, partido de Bolsonaro.

O grupo de manifestantes também lembrou o "Bolsodoria", parceria eleitoral adotada por apoiadores do tucano no segundo turno da campanha no ano passado.

Nos últimos meses, Doria se descolou de Bolsonaro, com quem trocou farpas. Os dois são apontados como possíveis adversários em uma campanha presidencial de 2022.

Logo no início do discurso no evento de Taubaté, em cima do palco montado no local, Doria mandou um recado para o grupo de manifestantes.

"Boa noite para o verdadeiro povo de Taubaté que trabalha. E não os que atrás de mortadela e dinheiro de Major Olímpio. Vai beijar o pé do Major Olímpio que perdeu as eleições de São Paulo pra mim".

Doria foi defendido pelo prefeito de Taubaté, Ortiz Junior (PSDB), e pelo secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi.

"Aqui você tem um soldado briguento para te defender, governador. E vocês [manifestantes] vão chorar na cama que é lugar quente", discursou o prefeito de Taubaté.

No evento, o governador divulgou parte de um investimento de R$ 15 milhões de um total de R$ 40 milhões para obras viárias em Taubaté -os outros R$ 25 milhões serão investidos pela prefeitura.

No último dia 11, enquanto Bolsonaro foi recebido aos gritos de "mito" na formatura de sargentos da Polícia Militar em São Paulo, Doria foi alvo de vaias da plateia formada por familiares dos formandos.

No mês passado, Bolsonaro afirmou à Folha que Doria é uma "ejaculação precoce". Já o governador passou a dizer que não é bolsonarista, embora tenha adotado o mote "Bolsodoria" para se eleger no segundo turno da eleição passada.

No evento da PM no dia 11, a presença de Doria foi criticada pelo senador Major Olímpio. Ele se mostrou surpreso quando a imprensa o avisou da presença do governador.

"Eu espero que não [venha], acho que Doria não vem. A ausência dele vai me alegrar", disse.

O senador publicou em seu Twitter na ocasião o momento em que Doria era vaiado, enquanto Bolsonaro era aplaudido. Vídeo semelhante foi publicado por Carlos Bolsonaro, filho do presidente, com crítica velada a Doria.

da FolhaPress

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos