Doria e Ciro respondem Carlos após ataque à democracia no Twitter

REUTERS/Amanda Perobelli

A afirmação do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) de que por vias democráticas não haverá as mudanças rápidas desejadas no país foi rebatida nesta terça-feira (10) por Ciro Gomes (PDT) e pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

O ex-governador do Ceará e ex-ministro cobrou uma declaração pública do presidente Jair Bolsonaro em relação à frase de seu filho. Doria, por sua vez, disse pensar o oposto de Carlos.

Leia também

Em mensagem no Twitter nesta segunda-feira (9), o vereador escreveu: "Por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos...".

A postagem do filho do presidente foi alvo de críticas de políticos e da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), que viram nela uma ofensa ao sistema democrático brasileiro.

"Sem entrar na polêmica, eu penso o oposto. Só com a democracia é que nós podemos ter um país soberano, livre e capaz de produzir políticas sociais e políticas econômicas. É só com a democracia, não há nenhum outro caminho possível para o país. E eu estarei ao lado dos democratas", afirmou Doria.

Também nesta terça-feira, Ciro participou de debates no Fórum de Economia da FGV, quando foi questionado por jornalistas sobre as publicações de Carlos.

"Esse rapaz é um percevejo desses que infestam a vida política brasileira e não mereceria qualquer tipo de reflexão. O problema é que ele é um filhote do Bolsonaro, e ele só pode merecer alguma reflexão na proporção em que isso representar um pensar do Bolsonaro."

"É preciso que todos nós cobremos do Bolsonaro uma declaração explícita, clara, se esse menino está falando mais uma bobagem, mal-amado que é, percevejo da vida brasileira", completou Ciro, que concorreu contra o atual presidente nas eleições de 2018.

O ex-governador e ex-ministro disse que, se a declaração do filho refletir a posição do presidente, ele e outros brasileiros irão "encará-lo" para garantir a normalidade democrática.

"Nesse caso, nós vamos refletir para dizer ao Bolsonaro que tente. Porque, se ele confunde a população brasileira em matéria de costumes, se ele explora o colapso moral e o desastre socioeconômico que o PT produziu no país, ele nos divide."

"Mas se ele imagina que vai transgredir o estado democrático de direito, ele que tente, para ver quantos brasileiros vamos encará-lo, na linguagem que ele preferir", afirmou Ciro.

OUTRAS POLÊMICAS DE CARLOS BOLSONARO NO TWITTER

Demissão de Bebianno

Em fevereiro, Gustavo Bebianno foi demitido da Secretaria-Geral da Presidência após uma crise desencadeada por uma postagem de Carlos. O filho do presidente postou no Twitter que o então ministro havia mentido ao jornal O Globo ao dizer que conversara com Bolsonaro três vezes na véspera, negando a turbulência política causada pelas denúncias das candidaturas laranjas no PSL. O post foi reproduzido na página de Bolsonaro.

Críticas a Mourão

Nas redes sociais, Carlos já fez diversas críticas ao vice-presidente, o general Hamilton Mourão. Em abril, quando o vice foi convidado a dar uma palestra nos EUA e foi anunciado como "uma voz de razão e moderação, capaz de orientar a direção em assuntos nacionais e internacionais", Carlos escreveu um comentário recheado de ironias e disse que o jogo de Mourão estava muito claro.

Ele também disse que o general tinha um estranho alinhamento com políticos que detestam o presidente, em referência a um comentário de Mourão lamentando a decisão de Jean Wyllys de deixar o Brasil e não tomar posse como deputado federal.

Em outro episódio, desta vez em junho, quando Bolsonaro estava em visita oficial na Argentina, Carlos escreveu que tinha saudades do presidente de verdade "pró-armamento da população e contra o aborto".

Demissão de Santos Cruz

Carlos foi acusado pelo general Carlos Alberto Santos Cruz, então chefe da Secretaria de Governo, de ter promovido um ataque virtual ao ministro. O caso aconteceu em maio, e a hashtag #ForaSantosCruz ficou entre as mais populares do Twitter. A disputa teria sido motivada pelo descontentamento de Carlos com a estratégia de comunicação da Presidência, a cargo do general. Em junho, Santos Cruz foi demitido.

Da FOLHAPRESS