Doria cria app para facilitar doações a ONGs em meio a cortes de gastos para assistência

SÃO PAULO, SP, 17.10.2019 - GOVERNO-SP - O governador de São Paulo, João Doria, durante lançamento do pacote de investimentos dos setores público e privado para alavancar o desenvolvimento econômico e social do vale do Ribeira, na capital paulista, nesta quinta-feira (17). (Foto Bruno Escolastico/Photo Press/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governo de São Paulo lançou nesta quinta-feira (17) um aplicativo para conectar ONGs e entidades que precisam de doação a pessoas que querem ajudar, mas não sabem como fazê-lo.

No "São Paulo Mais Humana" (disponível pelo site e por aplicativo, para Android e iOS), o cidadão pode procurar ONGs próximas, definir a causa desejada (crianças e adolescentes, idosos, mulheres, pessoas com deficiência ou moradores de rua) e marcar como quer ajudar --doando dinheiro e materiais, oferecendo trabalho voluntário ou ofertando vagas de emprego.

A plataforma foi criada pelo Fundo Social de São Paulo e pela Prodesp (companhia de dados do governo de SP), em parceria com a Oi, a Gocil (empresa de segurança) e a Gazit (administradora de shopping centers). Segundo o governo, 16 mil entidades já se cadastraram no aplicativo.

O lançamento da plataforma de doações acontece em um momento em que o governo corta gastos na área social. A gestão João Doria (PSDB) deverá terminar este ano com R$ 108 milhões a menos que o planejado para a área, que abriga programas como Bom Prato, Viva Leite e atendimentos a adolescentes e idosos em situação de vulnerabilidade. 

Seguindo uma trajetória de redução nos últimos anos, num contexto de aumento do desemprego e da pobreza, os gastos programados em 2019 para a função assistência social caíram de R$ 833 milhões para R$ 725 milhões, uma variação negativa de 13%. 

Questionado nesta quinta, Doria afirmou que vê nas doações uma saída para a suprir o contingenciamento de gastos, e alfinetou a gestão passada, o governo Márcio França (PSB), que elaborou o orçamento deste ano.

"Nós suprimos uma deficiência, porque havia um orçamento artificial. Nós não podemos trabalhar com orçamentos artificiais. Também não estou aqui criticando o passado. O passado passou. Mas de fato ficamos com orçamento deficitário em mais de R$ 15 bilhões. Portanto foi um orçamento mal elaborado, ou pelo menos que fez expectativas de crescimento econômico e de arrecadação que não aconteceram. Mas como superar esse contingenciamento? Com apoio do setor privado", afirmou Doria.

O governador lançou nesta quinta também o que pretende ser seu principal programa social, o Vale do Futuro, para ajudar o desenvolvimento do Vale do Ribeira, região mais pobre de São Paulo. O objetivo é trazer a região para o patamar médio do estado em 2022 e a desenvolver plenamente até 2030.