Doria diz que vai tomar medidas impopulares de distanciamento social para frear mortes e 'cepa perigosa'

Gustavo Schmitt
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO. O governador João Doria (PSDB-SP) anunciou nesta quinta-feira que tomará "medidas impopulares" e aumentará as restrições e o distanciamento social para evitar o colapso dos hospitais e frear a circulação do vírus da Covid-19. Doria afirmou que as medidas são necessárias porque, em suas palavras, "a nova cepa do vírus é muito agressiva e muito perigosa".

— Chegamos ao momento mais crítico da pandemia, mesmo seguindo recomendações dos maiores especialistas em saúde nossos hospitais estão chegando no limite máximo de ocupação. Temos que adotar medidas mais restritivas de distanciamento social pra diminuir a circulação do vírus. é a única forma pra tentarmos conter a aceleração das mortes. O Brasil está colapsando — afirmou Doria, em vídeo que sua assessoria divulgou nas redes sociais no final desta manhã.

O governador deve explicar mais detalhes das medidas em coletiva à imprensa nesta tarde. Na gravação, Doria disse que o estado entrará numa etapa do Plano São Paulo, mas não informou como ela vai se chamar.

Nas últimas semanas, médicos e cientistas que aconselham o governo paulista recomendaram a adoção da fase roxa, que será acionada após a ocupação de leitos ultrapassar a média de 90%. Até então, São Paulo está na fase vermelha, cujo critério é utilizado quando a ocupação de leitos passa de 75%, mas ainda é permitido o funcionamento de escolas e até de igrejas, mas desde que sigam recomendações sanitárias. Nesta nova etapa, porém, não será mais permitido, e Doria chegou a usar o a expressão "parar as atividades econômicas" e de restrição do "convívio social".

— Estamos tentando equilibrar a situação da economia com a saúde, mas temos que entrar numa nova etapa do Plano São Paulo. Ela é mais restritiva. Não é fácil tomar essa decisão. É uma decisão impopular— disse Doria. — Nenhum governante gosta de parar as atividades econômicas do seu estado. Entendo o sofrimento de todos. É difícil não sair para trabalhar, não sair para batalhar pelo sustento da sua família. É difícil não poder ir para escola, para faculdade, ter restringido o seu convívio social, não pode ir para o esporte, não pode ir pra sua academia. Eu me solidarizo. Mas só há duas alternativas. a vacina e o distanciamento.