Doria e Moro são 'personas non grata' em jantar que deve ter Lula e Alckmin, diz organizador

·1 min de leitura
**ARQUIVO**  PALMITAL/SP 23/07/2014 - Geraldo Alckmin e o ex-presidente Lula na cidade de Palmital, no interior do estado de SP. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
**ARQUIVO** PALMITAL/SP 23/07/2014 - Geraldo Alckmin e o ex-presidente Lula na cidade de Palmital, no interior do estado de SP. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Os organizadores do jantar que deve reunir publicamente o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (sem partido) pela primeira vez desde que começaram a flertar por união na eleição de 2022 calculam que ao menos 30 parlamentares vão ficar de fora do evento por causa da superlotação.

Marco Aurélio Carvalho, coordenador do grupo Prerrogativas, responsável pelo jantar, disse que esses políticos chegaram tarde e, infelizmente, não há mais espaço.

Segundo ele, somente João Doria (PSDB) e Sergio Moro (Podemos) são "personas non gratas" no encontro. "Doria e Moro, juntos, pariram o Bolsonaro. Não são bem-vindos, são radiativos", disse à reportagem.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos