Doria: Lula é inteligente e tem passado. Já Bolsonaro não merece o meu respeito

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Doria: Lula é inteligente e tem passado. Já Bolsonaro não merece o meu respeito (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Doria: Lula é inteligente e tem passado. Já Bolsonaro não merece o meu respeito (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
  • Doria: Lula é inteligente e tem passado. Já Bolsonaro não merece o meu respeito

  • Tucano diz que é um "liberal social"—acredita na economia de mercado, mas compreende a importância do trabalho no combate à pobreza

  • Ele deu entrevista ao jornal Valor Econômico

O ex-governador de São Paulo e pré-candidato à Presidência da República, João Doria (PSDB), afirmou que, embora tenha visões diferentes do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o respeita. Já o presidente Jair Bolsonaro (PL), disse, não merece o seu respeito.

A declaração aconteceu durante entrevista ao jornal Valor Econômico, divulgada nesta quarta-feira (27).

“Embora eu seja um antagonista ao Lula, eu o respeito. O Lula não é Bolsonaro, o Lula é inteligente e tem passado. Eu tenho posições diferentes das dele, mas tenho respeito por ele. Já Bolsonaro não merece o meu respeito. Eu sou um liberal social”, disse.

Questionado o que significa ser “liberal social”, Doria explicou que é aquele que “acredita na economia de mercado, mas que compreende também a importância do trabalho no combate à pobreza e às desigualdades”.

Durante a entrevista, o tucano também afirmou que se sentiu traído por Bolsonaro.

“Como eu, milhões de brasileiros acreditaram em Jair Bolsonaro, acreditamos que sua proposta era liberal, transformadora para o Brasil, de combate à corrupção, contrária à reeleição. E tem mais: ele se posicionava contra o Centrão. Fomos enganados", falou,

"Logo depois de se eleger, ele dizia que era candidato à reeleição, já começava a fazer aproximação com o Centrão, já começava a fazer restrições ao trabalho de Sergio Moro, e demonstrava apreço pela economia estatizante, criando dificuldades para o programa de privatizações. Já em abril, ele comemorou o golpe militar de 64. Manifestei-me dura e fortemente contra isso”, acrescentou.

Terceira via

Doria disse ainda acreditar na chamada “terceira via” para concorrer as eleições deste ano. Isso porque, segundo ele, há 44% de eleitores que ainda não sabem em quem votar.

“Entre eles, neste momento estão aqueles que estão optando pelo ‘menos ruim’, de um lado [Lula] ou de outro [Bolsonaro]. Estes eleitores são os que vão aderir a um nome que possa representar uma alternativa aos dois extremos.”

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos