Doria prevê ano difícil por segunda onda do coronavírus

·2 minuto de leitura
Governador de SP, João Doria

SÃO PAULO (Reuters) - O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), previu nesta quarta-feira um ano difícil, apontando o surgimento de uma segunda onda de Covid-19 no Brasil e no mundo, ao mesmo tempo que afirmou que a vacinação contra a doença no Estado será concluída ainda em 2021.

Em reunião com prefeitos que assumiram o mandato em 1º de janeiro, transmitida ao vivo pelas redes sociais do governo do Estado, Doria repetiu que a vacinação contra Covid-19 em São Paulo começará em 25 de janeiro, apesar de ainda não haver um pedido de registro da CoronaVac, vacina do laboratório chinês Sinovac que está sendo envasada no Brasil pelo Instituto Butantan, à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A expectativa é de que a eficácia da CoronaVac na prevenção da Covid-19 seja anunciada na quinta-feira, data em que também devem ser feitos à Anvisa os pedidos de autorização para uso emergencial e de registro definitivo da vacina.

"O alerta é a circunstância de uma segunda onda da Covid-19 que infelizmente chegou ao Brasil e chegou ao mundo. Nós não tínhamos essa expectativa até outubro do ano passado", disse Doria aos prefeitos, ao lado de secretários de Estado.

"Esse ano de 2021 será muito mais difícil do que nós imaginávamos até outubro passado. Mas vai passar, se nós tivermos capacidade de agir e o princípio de defesa da vida", afirmou.

Doria disse que pretende fazer uma nova reunião com os chefes de Executivos municipais do Estado em julho, novamente por videoconferência, mas disse que em dezembro pretende fazer um terceiro encontro, dessa vez presencial, pois, segundo ele, a população paulista já terá sido vacinada contra a Covid-19.

"Antes de terminar o ano faremos uma terceira reunião e esperamos já poder fazê-la presencialmente, dado o fato de que até lá teremos a imunização completa não só dos brasileiros de São Paulo, mas desejamos de todos os brasileiros de nosso país", disse o governador.

(Reportagem de Eduardo Simões)