Doria recua e veta jogo da Copa América em SP

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO - Horas depois de admitir a possibilidade de realizar a Copa América, o governador de São Paulo, João Doria, recuou e decidiu vetar a competição.

Em suas redes sociais, o governador informou que mudou de posição ouvir a posição de especialistas no combate à pandemia da Covid-19. Segundo o governador, o entendimento é de que a realização das partidas de futebol poderia sinalizar um arrefecimento no controle da transmissão do vírus.

"Comuniquei ao secretário-geral da CBF que SP não deverá sediar a Copa América (...) A prioridade é conter a pandemia", escreveu Doria, no Twitter.

Por volta das 12h desta terça-feira, Doria havia defendido a realização da Copa América em São Paulo, desde que os jogos sigam as regras do plano de medidas de combate à pandemia e sejam realizados sem público.

Embora seja crítico do presidente Jair Bolsonaro, Doria afirmou que não se pode "criminalizar" a Copa América e que seria incoerente proibir o torneio continental, enquanto jogos de vários outros torneios, como o Brasileirão e a Libertadores, são disputados no estado.

— Se tivermos que ter o discurso coerente, temos que parar o futebol em São Paulo. Todos os torneios têm que parar. Agora, criminalizar especificamente a Copa América porque veio fruto de um entendimento com o negacionista de Brasília (Bolsonaro), nós perdemos o bom senso e análise que, obedecendo todos os protocolos rigorosamente, não há razão para não ter um torneio aqui em São Paulo — afirmou o governador paulista, durante coletiva de imprensa na capital paulista.

Além da falta de torcida, há outras regras para a realização de jogos em São Paulo: reservas e comissão técnica devem usar máscaras e passar por testes periodicamente.

— O que difere o jogador chileno, equatoriano do jogador brasileiro? São todos seres humanos, todos eles têm que estar protegidos, todos eles, se puderem, estar vacinados e, se não tiverem recebido ainda a vacina, têm que fazer a testagem. A testagem tem que dar negativo, senão não entra em campo, nem sequer sai do vestiário — declarou Doria.

Enquanto o governador apoia a realização do evento, deputados federais e estaduais de oposição encaminharam entre segunda e terça-feira ofícios pedindo a proibição dos jogos nos estados. Um dos autores de ofício, o ex-ministro da Saúde e deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP), disse que a realização da Copa América é um "capítulo mortal do negacionismo de Bolsonaro".