Doria se declara defensor de prévias em meio a turbulência no PSDB

·2 minuto de leitura
Doria, em entrevista no Palácio dos Bandeirantes

SÃO PAULO (Reuters) - Apontado como provável candidato à Presidência em 2022, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), declarou-se nesta sexta-feira um defensor de prévias para a escolha de candidatos do partido, num momento de tumulto entre os tucanos em que parte da legenda busca que o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, coloque seu nome na disputa do Palácio do Planalto.

A declaração também veio depois de o deputado federal Aécio Neves (MG), cujo afastamento do partido é defendida por Doria, sugerir em reunião da Executiva Nacional da legenda a realização de prévia para a escolha do presidenciável tucano em 2022.

Realizado virtualmente nesta sexta, o encontro da Executiva do PSDB formalizou a recondução do ex-deputado Bruno Araújo para o cargo de presidente do partido até maio de 2022. Doria e aliados teriam defendido durante uma reunião nesta semana que o governador paulista fosse alçado ao comando da sigla, o que gerou manifestações públicas pela recondução de Araújo pelos presidentes dos diretórios estaduais tucanos e parlamentares federais da legenda.

Indagado sobre o momento vivido pelo PSDB, o governador lembrou que disputou e venceu prévias para ser candidato a prefeito de São Paulo, em 2016, e ao Executivo estadual, em 2018.

"Eu sou um defensor das prévias. Sou filho das prévias, aliás. Eu participei das prévias no PSDB à Prefeitura de São Paulo, depois das prévias para o governo de São Paulo e venci as prévias nessas duas disputas. Não estou dizendo que sou candidato, que serei candidato, apenas para ficar claro que eu sou um defensor das prévias", disse Doria em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

"É uma medida democrática, justa, correta, ela é ativadora, irrigadora e entusiasma o partido que utilizar o recurso da prévia, seja o PSDB ou qualquer outro partido", avaliou.

A defesa pública feita por Doria do afastamento do partido de Aécio também gerou uma nota do líder do PSDB na Câmara, Rodrigo de Castro (MG), elogiando Aécio e afirmando que seu afastamento da sigla sequer é cogitado pela bancada.

A ofensiva de Doria, que tem sido o principal antagonista do presidente Jair Bolsonaro, levou membros do PSDB a buscarem o governador gaúcho para que ele se coloque como candidato.

Diante desse cenário turbulento, Doria, que nesta semana disse que Leite é um "grande governador" e que uma eventual aspiração dele ao Planalto seria "legítima", se reuniu com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, presidente de honra do PSDB.

O governador paulista disse que o encontro foi proveitoso e que a posição de Fernando Henrique, da qual disse compartilhar, é de que haja paz e harmonia dentro do PSDB.

(Reportagem de Eduardo Simões)