Dossiê aponta que declaração de óbito da mãe de Luciano Hang foi fraudada na Prevent Senior

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Luciano Hang sabia da fraude, segundo dossiê da Prevent Senior (AP Photo/Leo Correa)
Luciano Hang sabia da fraude, segundo dossiê da Prevent Senior (AP Photo/Leo Correa)
  • Dossiê da Prevent Senior apontou que a declaração de óbito de Regina Hang foi fraudada

  • Documento desmentiu a versão dada pelo empresário Luciano Hang sobre a morte

  • Trata-se de mais uma fraude cometida pela operadora de saúde e revelada pelo dossiê

O dossiê da Prevent Senior entregue à CPI da Covid afirma que a declaração de óbito de Regina Hang, mãe do empresário bolsonarista Luciano Hang, foi fraudada. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Segundo o veículo, está é uma das revelações feitas pelo documento de mais de 60 páginas elaborado por 15 médicos que trabalharam para a operadora de saúde. Nele, os profissionais também informaram que a Prevent Senior omitiu sete mortes de pacientes com Covid-19 tratados com hidroxicloroquina em estudo.

Leia também

De acordo com os médicos, o episódio envolvendo Regina Hang é um dos "inúmeros casos que não foram devidamente noticiados" e consta no capítulo sobre “fraude nas declarações de óbito” do dossiê.

Presidente da CPI, o senador Omar Aziz (PSD-AM) repercutiu a acusação na sessão desta quarta-feira (22). Ele considerou que Luciano Hang "tinha condições de levar a sua genitora para a lua, porque tem dinheiro para isso". "Mas leva para a Prevent Senior. E lá, segundo as informações, no atestado de óbito não consta que ela veio a óbito por Covid."

Prevent Senior estaria envolvida em escândalo envolvendo estudo fraudulento para incentivar uso de cloroquina (Foto: Prevent Senior/Divulgação)
Prevent Senior estaria envolvida em escândalo envolvendo estudo fraudulento para incentivar uso de cloroquina (Foto: Prevent Senior/Divulgação)

Dossiê confirma uso de medicamentos sem eficácia comprovada

Segundo o dossiê, Regina foi internada no dia 31 de dezembro do ano passado e faleceu em 3 de fevereiro de 2021. No prontuário da mulher, haveria informações sobre a realização de “tratamento precoce” com hidroxicloroquina, azitromicina e colchicina, após o início dos sintomas em 23 de dezembro e antes da entrada na Prevent Senior.

Ainda segundo relato dos médicos, durante a internação, a idosa teria recebido ivermectina e outros “tratamentos experimentais”.

Luciano teria mentido em publicação nas redes sociais

Luciano relatou a morte da mãe no dia 5 de fevereiro, em vídeo publicado no Instagram. Na ocasião, ele afirmou que a mãe estava assintomática e com "quase 95% do pulmão tomado" quando foi levada ao hospital.

Na legenda da publicação, o empresário garantia que "até ser diagnosticada com Covid-19, eu nunca dei nenhum medicamento para prevenção a minha mãe". "Eu me questiono: será que se eu tivesse feito o tratamento preventivo, eu não teria salvado a minha mãe?", diz ele no vídeo.

Os dados relatados no dossiê, porém, desmentem a versão de Luciano. Segundo os médicos, "o prontuário médico da sra. Regina Hang prova que ela utilizou o kit antes de ser internada e que repetiu o tratamento durante a internação, assim como registram que seu filho, sr. Luciano Hang, tinha ciência dos fatos".

"Como outros tantos casos de óbitos na rede Prevent Senior decorrentes da covid-19 que não foram devidamente informadas às autoridades, a declaração de óbito da sra. Regina Hang foi fraudada ao omitir o real motivo do falecimento", aponta o documento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos