Drica Moraes relembra como foi deixar o elenco de 'Império' por problemas de saúde: 'Fiquei despedaçada'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Despedir-se da malvada Cora de “Império” não foi fácil para Drica Moraes no fim de 2014. Pois agora ela revive a separação entre atriz e personagem na reprise daquela que foi a sua primeira novela no horário nobre, quatro anos após o diagnóstico de uma leucemia mieloide, que teve fim com um transplante de medula em 2011. Dilacerada, Drica teve que deixar o papel após problemas de saúde em meio às gravações e foi substituída às pressas por Marjorie Estiano, que havia interpretado Cora no início da trama. No capítulo de segunda-feira, a jovem já aparece no lugar da veterana.

— Eu trabalhava mais de 12 horas diárias no Projac. Eu tinha que estar todos os dias em vários cenários para falar algo absurdo, me locomovia pela cidade cenográfica para dar milho aos pombos numa cena, dar uma gargalhada em outra... No meu dia de folga, ficava em casa decorando muito texto sozinha. Cora era absurda! Venho acompanhando a reprise e me vejo falando sozinha o tempo todo. Com caixa, mala, porta-retrato, cadeira, jornal, revista, álbum de fotografia, cheirando cuecas (risos) ...

Àquela altura, Drica já tinha uma bagagem de 11 novelas e 28 anos de carreira na TV, mas nunca havia encarado uma das personagens centrais de uma trama das nove. A rotina corrida fez a atriz ficar com a imunidade baixa e ter que se afastar das gravações após perder a voz. Sete anos após o fim de “Império”, ela lembra bem o drama ao deixar de viver a vilã, numa manobra ousada do autor Aguinaldo Silva.

— Na época, eu fiquei despedaçada porque foi um papel muito importante. Eu tinha tesão em fazer! Cora me demandava demais física e emocionalmente. Fui ao Projac, mas não tinha voz. Eu já vinha há um tempo com gastrite, depois labirintite. O excesso de horas trabalhadas me gerou uma baixa imunidade. Não tinha nada mais a ver com a doença grave que eu tinha tido quatro anos antes, porém eu ainda não estava com essa capacidade de encarar tantas horas de trabalho por tantos meses. Eu até fui à cena em que ela e o Comendador (Alexandre Nero) vão ao hotel, mas eu não tinha um fiapo de voz e havia seis páginas de texto para falar. Então, o autor tomou essa decisão. Eu levei um susto na hora, mas, foi o que tinha que ser feito e eu acatei.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos