Trump planeja contratar advogado que defendeu Bill Clinton de impeachment

Washington, 2 mai (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pretende contratar o advogado que defendeu o ex-presidente Bill Clinton de um pedido de impeachment em 1998.

A Casa Branca anunciou nesta quarta-feira a saída de Ty Cobb, que representou Trump até então na investigação sobre a interferência da Rússia nas eleições. O substituto não foi anunciado.

Segundo os jornais "The New York Times" e "The Washington Post", Trump pretende contratar o veterano advogado Emmet T. Flood, que fez parte da equipe que defendeu Clinton de um pedido impeachment aberto após o ex-presidente democrata mentir sobre sua relação com Monica Lewinsky.

"Durante várias semanas, Cobb discutiu sua aposentadoria e na semana passada informou ao chefe de gabinete (da Casa Branca), John Kelly, que nos deixará no fim deste mês", disse a porta-voz do governo, Sarah Sanders, em comunicado.

Cobb foi contratado no último verão com o objetivo de lidar com a investigação conduzida pelo promotor especial Robert Mueller sobre a interferência da Rússia nas eleições presidenciais de 2016.

A maior parte do trabalho do advogado foi a produção de documentos para a investigação de Mueller. Um advogado de fora da Casa Branca, John Dowd, comandava uma equipe legal responsável por responder quase todas as demandas do presidente sobre o caso.

Dowd deixou o cargo em março discordar das estratégias do presidente, entre elas a insistência de Trump em permitir que Mueller o interrogasse. O advogado foi substituído pelo ex-prefeito de Nova York Rudy Giuliani, que mostrou abertura para programar o encontro entre o presidente e o promotor especial.

Flood foi um dos responsáveis por evitar o impeachment de Bill Clinton no Senado em 1998. O advogado também trabalhou por dois anos na Casa Branca durante o governo de George W. Bush (2001-2009), assumindo as relações o Executivo e o Congresso.

O advogado também representou o ex-vice-presidente Dick Cheney em uma ação aberta pela ex-agente da CIA Valerie Plame.

De acordo com o "Times", espera-se que Flood adote uma postura mais dura em relação a Mueller do que Cobb, que pressionou o presidente a cooperar com o promotor especial. EFE